Blocos do pré-Carnaval escolhem tema e levam histórias para os foliões

Por traz dos bloquinhos existem boas que foram construídas por anos

Bruna Dias
fonte

Em pouco menos de uma semana, Belém receberá o pré-Carnaval. Com dezenas de blocos, a folia é democrática e recebe os mais diferentes públicos. Tem para quem gosta do eletrônico, música baiana, funk e pagode, tem também para quem gosta de usar abadá e bloco à fantasia.

No dia 14, no próximo sábado, o Bloco Kalango é o primeiro do calendário. Para este ano, o tema é “No Trio Elétrico”. Os artistas baianos vão fazer sua apresentação como um bom micareteiro gosta. Ricardo Chaves, Chiclete com Banana e Saulo farão seus shows literalmente com a galera dando a volta no trio.

O Bloco Kalango é o mais antigo do pré-Carnaval, a história dele começou ainda nos Carnavais fora de época em Belém. São décadas de tradição.

A música eletrônica será comandada no Bloco da Pump, em 14 de janeiro.

VEJA MAIS

image Foliões comemoram pré-carnaval e contam como estão se preparando para as ‘micaretas’
foliões já começam a idealizar as fantasias e o planejamento para o carnaval nos blocos de Belém e de outros estados brasileiros

image Micareteiros estão prontos para vestir os abadás em 2023
Look colecionável remete a memorias de muita alegria

No dia 15, teremos o Bloco da Manu. Com quatro atrações, Manu Bahtidão é a grande estrela. A cantora vai fazer seu show no trio elétrico e com um repertório todo preparado para essa apresentação.

Nesse mesmo dia temos o Bloco do I Love. O grupo I Love Pagode dá nome ao bloco que terá atração nacional. O pagodeiro Gaab mostrará um show recheado de sucessos estourados pelo Brasil.

No dia 21 de janeiro, a Bis Entretenimento inova com o “Bloco do Nattan”. No estacionamento do Bosque Grão Pará, o piseiro e a música baiana vão fazer a mistura da micareta.

O ‘Não Era Amor’ tem como tema curar os corações feridos. O Bloco surgiu após várias festas que levava o mesmo nome, esses eventos cuidavam das pessoas que sofriam de amor com muito pagode. Agora, através do bloco é possível colocar o abadá e ir curar a dor de cotovelo na folia. “Como eu sempre falo, o beijo na boca faz parte do Carnaval, mas o nosso bloco quer curar aquela pessoa que perdeu seu amor ou está saindo de um relacionamento e ainda sofre por isso. Aí é só ir para o ‘Não Era Amor’ no próximo dia 21. E vou contar um negócio, tem gente que vai para o bloco e sai namorando, casais já se formaram após a folia”, conta Júlio Cezar, sócio do ‘Não Era Amor’.

Se micareta e amor estão juntos, no dia 28, Bloco Amor de Carnaval vem pelo sétimo amor falar sobre o amor. O tema deste ano é a “Alegria do Amor”. “A gente fala sempre, e leva até no nome do bloco, sobre a importância de dar amor e receber, o espírito é esse mesmo. Quem já foi no nosso bloco encontra na nossa decoração muitos corações, e esse ano juntamos o amor com a alegria, dois sentimentos nobres de sempre compartilhados. Nosso desafio é encontrar e renovar caminhos que nos levem a momentos felizes, entre amigos, com muito amor, alegria e copo cheio”, disse Nazza Júnior, sócio do Amor de Carnaval.

Fugindo da questão dos abadás, o Bloco Auroras incentiva os foliões a se fantasiarem. O tema deste ano é: Feira Muvuca Boreal. “Todos os anos o lançamento do tema do bloco gera bastante expectativa entre os nossos foliões. Procuramos sempre um tema que busque levar ao nosso público o que nos motiva: alegria, sustentabilidade, regionalidade, feminismo e muito amor ao que se faz. Nesta edição o nosso tema homenageia as Feiras! Elas mais do que qualquer coletivo, representam um fenômeno sociocultural e econômico onde as pessoas se misturam, consomem e sobretudo movimentam as economias locais. Assim como o carnaval, a feira é um movimento social presente nas cidades.”, disse Tuane Costa, que dá vida ao bloco junto com Lorena Fadul e Bárbara Flores.

O Bloco Auroras é dia 04 de fevereiro.

Quem vai fechar a agenda do pré-Carnaval, é o Amigos do Urubu, no dia 11 de fevereiro. “Ele surgiu para homenagear um grande amigo nosso que faleceu, o Felipe Mauriti, ele gostava muito de Carnaval e de festa. Então o bloco, é uma forma de reunir os amigos e relembrar os momentos vividos. Como forma de prestigiá-lo e homenageá-lo, criamos o ‘Amigos do Urubu’, que começou pequeninho, com 100 pessoas, 200 no máximo, e aos poucos foi crescendo, e se tornou ao que é hoje”, contou Diogo Novaes, sócio do bloco.

 

Cultura
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM CULTURA

MAIS LIDAS EM CULTURA