Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Presidente da Caixa Econômica é denunciado por assédio sexual

Os casos estão sendo investigados pelo Ministério Público Federal. Este é o primeiro caso público de assédio sexual envolvendo um alto funcionário do governo Jair Bolsonaro

Rayanne Bulhões

Um grupo de funcionárias denunciou o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Duarte Guimarães, de 51 anos, por assédio sexual. Todas trabalham ou trabalharam em equipes que servem diretamente ao gabinete do acusado. Em depoimento, as vítimas relataram que se sentiram abusadas em diferentes ocasiões, sempre durante compromissos de trabalho. As informações foram divulgadas nesta terça-feira (28) pelo site Metrópoles.

A quebra de silêncio deu início a uma investigação que corre sob sigilo, no Ministério Público Federal. Algumas das funcionárias que concordaram em falar  já prestaram declarações oficialmente aos procuradores. Outras deverão ser convidadas a depor em breve. Este é o primeiro caso público de assédio sexual envolvendo um alto funcionário do governo Jair Bolsonaro.

VEJA MAIS

Caso Klara Castanho: site decide por não demitir Léo Dias e faz nova retratação
O colunista chegou a expor informações sigilosas sobre o acontecimento da atriz da Globo que envolve estupro, gravidez indesejada e o processo de adoção da criança

Vídeo de Leo Dias falando de Klara Castanho com Gentili viraliza na web: 'Carma grande'; veja
Declaração polêmica ocorreu durante uma entrevista ao The Noite, com o apresentador Danilo Gentili

Pedro assumiu a presidência da Caixa após a posse de Bolsonaro. Vários relatos estão relacionados a viagens realizadas durante o programa Caixa Mais Brasil, criado para descentralizar a gestão e dar mais visibilidade ao banco pelo país afora. Desde janeiro de 2019, foram realizadas mais de 140 visitas a cidades de todas as regiões.

Uma das entrevistadas disse ao Metrópoles que Pedro queria ser “dono” das mulheres com quem se aproximava. “É comum ele pegar na cintura, pegar no pescoço. Já aconteceu comigo e com várias colegas”, diz. “Ele trata as mulheres que estão perto como se fossem dele”. Ao ser coibido, as mulheres são ignoradas e perdem a visibilidade profissional, independente do cargo em questão.

Mãe chora ao denunciar mensagens de cunho sexual enviadas por pedófilos para a filha de 9 anos
Nos Stories, Mayara Oliveira estava abalada após ler os comentários escritos por homens adultos e dirigidos à filha

Projeto de lei que criminaliza importunação sexual é aprovado por unanimidade na Alepa; saiba mais
A partir de agora, quem for flagrado ou denunciado cometendo qualquer forma de assédio poderá ser preso. A pena varia entre 1 a 5 anos de reclusão. Projeto segue para sanção do governo estadual

Dia de combate ao assédio sexual contra mulheres é aprovado pela Alepa
A data tem como objetivo sensibilizar e conscientizar a sociedade sobre a necessidade de erradicar o assédio sexual contra mulheres no ambiente de trabalho

As mulheres que topam favores de Pedro e foram chamadas para compromissos de trabalho em Brasília (DF) foram apelidadas de “Discos voadores”. Algumas colaboradoras são promovidas, mesmo sem preencher os requisitos necessários para a função e acabam sendo transferidas para a sede, por conveniência de Guimarães.

Uma das assediadas por Pedro conta que é comum funcionárias serem chamadas para uma ida à piscina ou à sauna na companhia do presidente do banco nos horários de folga na agenda. “Ele me chamou para ir para sauna com ele. Perguntou: ‘Você gosta de sauna?’. Eu disse: ‘Presidente, eu não gosto’. É humilhante. Ele constrange”, disse.  

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL