Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Mãe descobre que filha era abusada pela professora após criança chupar o seu dedo

Ao menos duas meninas de três relataram às mães que sentiam dores na vagina

Emilly Melo

Uma mãe descobriu que a filha de três anos era abusada sexualmente pela professora da escola onde estudava, em Campo Grande (MS), após a criança chupar o dedo dela. A mãe procurou a Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente na tarde de quinta-feira (12). Com informações do TopMídia News.

VEJA MAIS

Mãe descobre que filhos foram estuprados pelo padrasto por dois anos
O suspeito cometia os abusos quando a mulher estava fora, trabalhando e estudando à noite

Menina de 11 anos que foi estuprada pede ajuda por bilhete: 'Liga para a polícia'
A menina foi atacada pelo suspeito quando ela havia ido até a casa da avó da vítima deixar alimentos a pedido da mãe dela

Pai é preso suspeito de estuprar as duas filhas durante seis anos
Os crimes teriam acontecido dentro da casa do acusado

A mãe relata que levou um grande susto quando viu a filha chupar o dedo dela. ''Em março, ela chupou o meu dedo de forma sensual, maliciosa e eu assustei'', contou a mulher. Ela questionou a garota, que revelou ser a professora que fazia isso. A mãe chegou a insistir para saber se não foi o avô ou o próprio pai, mas a menina garantiu que era a professora. A mulher perguntou à criança o que mais a docente fazia nela e ela respondeu que a mulher também enfiou o dedo no fundo da boca

Segundo a entrevista, a mãe conta que a menina relatou que a professora chupava o dedo dela no recreio e também dava o dedo para a vítima chupar. A certeza sobre os abusos veio quando a mãe encontrou com outra mãe de aluna, da mesma sala, que também relatou estar vivendo a mesma situação

''Sua filha está sendo abusada e isso está acontecendo com a minha'', disse uma mãe para a outra. 

As duas meninas teriam contado que sentiam dores na vagina. A mãe, que fez a primeira denúncia, levou a menina ao ginecologista. A médica informou que o hímen não estava rompido, mas que isso significava que não houve abuso. 

A criança também teve mudanças de comportamento, querendo ficar apenas perto da mãe e chorando. ''Não queria tomar banho, não deixava pôr a mão na perereca dela. Reclamava de dor na vagina'', disse a mãe, aos prantos. ''Gostaria que isso fosse uma mentira. Eu estou me sentindo muito mal, não sei o que fazer'', completou. 

(*Emilly Melo, estagiária, sob supervisão de Keila Ferreira, coordenadora do Núcleo de Política)

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL