Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Daniella Perez: saiba como a morte da atriz mudou a Lei de Crimes Hediondos

O caso voltou à tona e aos noticiários após a publicação do documentário “Pacto Brutal”, que narra o crime que chocou o país e como teve um impacto na Constituição Federal

Karoline Caldeira

O assassinato da atriz Daniella Perez, ocorrido em 28 de dezembro de 1992, repercutiu em todo o país e chocou a sociedade pela brutalidade do crime. Filha da novelista Glória Perez, Daniella tinha apenas 22 anos e estava no auge da carreira, atuando na novela "De Corpo e Alma", escrita pela própria mãe. Ela foi morta pelo ex-ator e colega de trabalho Guilherme de Pádua e por sua então esposa Paula Thomaz, com 18 perfurações, que atingiram o pescoço, pulmão e coração.

O caso é amplamente conhecido e voltou à tona e aos noticiários após a publicação do documentário “Pacto Brutal” na plataforma de streaming HBO Max. Através de depoimentos, imagens da época e dos autos do processo, é narrado o crime e como teve um impacto até na legislação brasileira, mais especificamente na Lei de Crimes Hediondos.

VEJA MAIS

Assassinato de filha de Glória Perez completa 28 anos e escritora desabafava: 'O ano que não chegou'
Aos 22 anos, Daniella, foi morta a tesouradas por Guilherme de Pádua, que fazia par romântico com ela na novela "De Corpo e Alma". Paula Thomaz, esposa do ator, foi sua cúmplice no crime.

Assassino confesso de atriz global, Guilherme de Pádua foi de stripper a pastor Batista
Crime ocorrido na década de 1990 e que chocou o País pode ter sido um sacríficio ritual

Claudia Raia diz que pressentiu morte de Daniella Perez e como descobriu pista do crime
As informações foram dadas no documentário Pacto Brutal

Previstos na Constituição Federal de 1988, cujo artigo é o 5º, inciso XLIII, esses tipos de crime são considerados os mais graves, como o latrocínio, que é o roubo seguido de morte, estupro e a extorsão mediante sequestro. Porém, após o assassinato de Daniella em 1992, outro crime passou a ser considerado nesta lei: o homicídio qualificado.

Daniella e Guilherme de Pádua caracterizados como os seus personagens na novela "De Corpo e Alma" (Reprodução / Rede Globo)

O que é homicídio qualificado?

Praticado por motivo torpe ou fútil, com emprego de tortura ou envenenamento de maneira que dificulte ou torne impossível a defesa da vítima, esse tipo de crime pode ocorrer por diversos motivos, seja por discriminação religiosa, racial ou sexual. Asfixia, emboscadas e encomenda de mortes com recompensa também se enquadram nesse tipo de homicídio.

É nesse tipo de crime que se caracteriza o assassinato de Daniella. Guilherme de Pádua também participava da novela "De Corpo e Alma", interpretando o personagem Bira. A acusação apontou que ele assediou Daniella, por se tratar da "filha da autora da novela".

Guilherme admitiu essa tese em depoimento e, além disso, ao receber novos capítulos da novela, descobriu que o personagem dele estava perdendo espaço na trama. Inseguro, pensou que era influência de Daniella Perez. Ele temeu que a moça havia contado para a mãe sobre o assédio e, estimulando o ciúmes na então esposa Paula Thomaz, ambos planejaram o crime.

Como a morte da Daniella mudou a lei?

Inconformada com os mesmos tratamentos e benefícios que pessoas condenadas por esse crime e outros delitos tinham, Glória Perez, meses depois do assassinato de Daniella, juntou mais de 1,3 milhão de assinaturas para que fosse feita a inclusão do homicídio qualificado na Lei dos Crimes Hediondos. Junto com outras pessoas que também tiveram os seus parentes assassinados dessa forma e astros da televisão, ela entregou ao Congresso Nacional o pedido e o projeto foi aprovado.

VEJA MAIS

Raul Gazolla revela plano para matar Guilherme de Pádua, assassino de Daniella Perez
Gazolla contou que costuma dividir sua vida em 'antes da Dani e depois da Dani'

Raul Gazolla conta que infartou após assassinato de Daniella Perez
O ator era casado com a atriz em 1992

Guilherme de Pádua reaparece em ato pró-Bolsonaro
Ele foi condenado a 19 anos de prisão pelo assassinato de Daniella Perez, em 1992

Então, em 1994, a Lei 8.930/1994 incluiu o homicídio qualificado na Lei de Crimes Hediondos. A partir disso, o estado passou a punir com mais seriedade qualquer pessoa que cometa esse tipo de crime.

O que aconteceu com Guilherme de Pádua e Paula Thomaz?

Apesar da mudança na legislação, a pena de Guilherme de Pádua e Paula Thomaz não foi afetada. Ambos foram condenados a 19 anos de prisão, mas foram beneficiados pela progressão do regime e cumpriram seis anos da pena.

Em março de 2002, também foi determinado que Glória Perez e Raul Gazolla, marido de Daniella na época, deveriam receber uma multa indenizatória no valor de 500 salários mínimos, ou cerca de R$440 mil cada. Hoje, Paula Thomaz usa outro nome e Guilherme de Pádua se tornou pastor.

(Estagiária Karoline Caldeira, sob supervisão do editor executivo de OLiberal.com, Carlos Fellip) 

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL