Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Vacina contra covid-19: quase 40% da população de Belém não tomou a terceira dose

Até o domingo (27), 7.939 pessoas se vacinaram com a quarta dose e postos ainda esperam 55,5% da população vacinável. Demanda segue baixa nas doses de reforço.

Emanuele Corrêa

A vacinação contara  covid-19 em Belém segue com a disponibilidade para primeira, segunda, terceira e quarta dose. No entanto, a procura pelas doses de reforço ainda segue baixa. De acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde de Belém (Sesma), 563.351 pessoas tomaram a terceira dose na capital - até o último domingo (27) -, o que representa 61,4%, ou seja, 39,5% da população vacinável ainda não retornou aos postos de vacinação.

VEJA MAIS

Covid-19: Confira os pontos de vacinação na Grande Belém nesta terça (29)
Imunização será realizada em Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara e Santa Izabel

A quarta dose que agora está disponível para a população com 75 anos ou mais também vem tendo pouca adesão. Os dados apontam para 17.840 idosos aptos a tomar a vacina, no entanto, somente 7.939 se vacinaram até o dia 27, representando 55,5% da população que ainda não está vacinada, mesmo apta.

Apesar da recomendação do Ministério da Saúde (MS) que, após quatro meses da última vacinação de reforço, idosos acima de 80 anos já podem tomar a quarta dose e Belém ter reduzido essa faixa etária nesta terça-feira (29) para os 75 anos ou mais, os profissionais de saúde notaram a baixa procura.

Procura pela vacinação é abaixo da expectativa

A enfermeira responsável pela vacinação no Centro Universitário Fibra, Natanne Miranda, diz que nas duas últimas semanas a procura pela terceira e quarta dose diminuiu. Ela destaca que nesta segunda (28), ao longo do dia, vacinou apenas 66 pessoas com a quarta dose.

"Ontem estava disponível para idosos com mais de 80 anos e hoje está em [acima de] 75. A procura foi maior pelo primeiro grupo. Nas últimas semanas vem diminuindo. Eu acho que as pessoas estão desleixadas em relação aos cuidados, em relação à vacina, uso de máscara, estar em locais fazendo aglomeração. Chega a ser um fato preocupante, pois temos muitos idosos" disse.

"O índice de retorno de segunda dose está muito baixo. Até para as crianças. Ontem vacinamos 10 crianças. E os que vêm, às vezes, é porque as escolas estão exigindo, aí os pais trazem. Como a contaminação baixou, as pessoas relaxaram em relação aos cuidados com a vacinação. Mas a gente pede que façam a vacinação, de acordo com cada faixa etária", completou.

Ainda assim, reforço na imunização é esperado

Mesmo com o cenário de flexibilização do uso de máscaras e os relatos de agentes de saúde apontando para baixa procura, algumas pessoas ainda estão ansiosas aguardando pela imunização da quarta dose.

Iomar Carvalho, 77 anos, conta que seguiu à risca todos os protocolos contra o coronavírus e continuará a usar máscara em locais abertos, mesmo estando vacinada com a última dose de reforço.

"Eu digo que estou mais aliviada, que venci o coronavírus. [Espero] que as pessoas continuem se vacinando para nós vencermos isso. Para não acontecer o que vimos no passado. Nos espaços abertos, eu vou continuar usando máscara, mesmo vacinada. Não me sinto segura. Para que isso aconteça, precisamos de mais pessoas vacinadas. Tem muita gente que falta se vacinar. Então, por que não esperamos mais? Já estamos acostumados com a máscara. Um pouquinho mais de paciência.", disse.

Quem também aguardou ansiosamente pela vacinação de 75 anos ou mais foi Miuki Mogui Correa, 79 anos. Para ela, a vacinação continua sendo importante, assim como a da gripe e de outras doenças. Logo cedo Miuki foi tomar a quarta dose.

"Eu acho muito importante a vacinação. Eu graças a Deus não gripo, não peguei covid, segui todas as recomendações. Eu tenho 79 anos e estava esperando a quarta dose ansiosamente. Vou continuar me vacinando até meus 100 anos, se Deus quiser", comentou, sorrindo.

Sobre a liberação do uso de máscaras, a senhora diz que não deixará de usar, pois quando pensa em tirar, relembra o sofrimento do início da pandemia e o cenário crítico que vitimou muitas pessoas.

"Não vou deixar de usar. Eu perdi muitos amigos e amigas, sei como é o sofrimento. Até agora, Deus me sustentou e eu vou seguir usando a máscara. Se continuar fazendo a vacinação de uma quinta ou mais doses, vou continuar a tomar, igual para a gripe, como todos os anos", finalizou.

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM