Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Malária em Belém: após 9 casos, Sesma garante que surto já foi controlado

Uma nova virose tem afetado várias pessoas em Belém, que acreditam ter pegado malária, já que não há sintomas de gripes ou resfriados associados. Porém, a Sesma aponta que se trata de outra doença

Victor Furtado

Após nove casos confirmados, o surto de malária em Belém está controlado, como garante a Secretaria Municipal de Saúde (Sesma). Um bloqueio vacinal foi feito nas áreas onde estavam ocorrendo registros da doença. O bairro do Umarizal foi o mais afetado. Porém, uma doença começou a provocar desconforto nos moradores nas últimas duas semanas. Várias pessoas na capital vêm relatando sintomas como diarreia contínua, náuseas, vômitos e dor de cabeça. E há uma suspeita de que fosse malária, mas não é.

VEJA MAIS

Malária: casos da doença reaparecem e assustam paraenses Notificação em pleno bairro nobre de Belém alerta: cenário exige nova atenção a vetores de doenças no inverno e à subnotificação no interior

Malária em Belém: após 7 casos, Sesma confirma alerta de surto; confira os bairros Nota de alerta da Sesma confirma um óbito também pela doença. Alerta ressalta três bairros da capital

Malária em Belém: veja dicas de como afastar e matar o mosquito causador da doença Confira quatro dicas para evitar o Anopheles, após casos e alerta de surto da doença em Belém

A Sesma informou que esses sintomas já vêm sendo percebidos no atendimento da rede pública. Mas essas condições, como explica Victor Nina, diretor de Atenção Básica da secretaria, garante que esses quadros não condizem com a malária. Ainda que seja um fato que esses casos foram percebidos, não há obrigatoriedade legal de notificação de viroses. A principal suspeita é de que a virose atual seja de um adenovírus. A transmissão desse tipo de vírus pode ser fecal-oral ou respiratória.

"Estamos num período sazonal, com aumento da umidade e de ocorrências de vírus respiratórios sazonais. Mas não são casos de malária, porque esses não são sintomas exatamente característicos da doença", afirma Victor.

Ainda assim, é importante buscar atendimento, já que uma virose pode sim debilitar uma pessoa por dois dias ou mais. A automedicação não é indicada.

Viroses são confundidas com malária

A confusão entre a virose e a malária, possivelmente, pode vir ocorrendo por conta da ausência de sintomas de gripes ou resfriados, que costumam identificar essas viroses com mais clareza. Os adenovírus, como sugere Victor Nina, são um tipo comum de virose respiratória. Pelas bibliotecas virtuais do Ministério da Saúde, esse tipo de vírus tem cerca de 50 variantes, com diferentes sintomas causados e nem todos, de fato, são semelhantes a gripes e resfriados.

VEJA MAIS

Malária: duas cidades concentram 63% dos casos da doença no Pará; saiba quais Neste ano, até o momento, foram contabilizados 500 casos e nenhuma morte. Sespa aponta redução do número de registros

Mais de 14 mil casos de malária foram registrados este ano no Pará Especialista afirma que é necessário uma vacina contra malária específica e adequada para a realidade amazônica

Os vírus que mais lembram resfriados e gripes e que também são respiratórios e sazonais são os rinovírus. Essa categoria, como também consta nas bibliotecas digitais do MS, pode ter mais de 100 variações. Assim como os adenovírus, a transmissão ocorre pelo ar. A malária depende da transmissão pela picada do mosquito Anopheles.

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM