Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Pré-candidatos à Presidência pedem justiça por morte de Dom Phillips e Bruno Pereira

Lula, Tebet, Gomes, Janones e Bivar se pronunciaram sobre os assassinatos

O Liberal

Os assassinatos do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira repercutiram entre os políticos brasileiros nas últimas 24 horas, inclusive entre os pré-candidatos à Presidência da República. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que o Brasil é um país muito grandioso e civilizado para passar uma imagem tão negativa para o resto do mundo. Ele acredita que a comunidade internacional sabe que o crime está diretamente relacionado ao desmonte de políticas públicas de proteção aos povos indígenas. "A democracia e o Brasil não toleram nem podem mais conviver com a violência, o ódio e o desprezo pelos valores da civilização. Bruno e Dom viverão em nossa memória e na esperança de um mundo melhor", pontuou por meio de nota assinada por ele e pelo pré-candidato a vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB). O presidente Jair Bolsonaro (PL) se limitou a dizer que Phillips era "mal visto" por escrever reportagens contra garimpeiros, durante entrevista para a jornalista Leda Nagle. 

VEJA MAIS 

Para Univaja, assassinato de Bruno e Dom foi crime político e suspeitos são 'parte de grupo maior'
União dos Povos Indígenas do Vale do Javari afirmou ainda que foi a sua equipe de vigilância que indicou para as autoridades a área que deveria ser investigada

Políticos paraenses pedem justiça pela morte de Dom Phillips e Bruno Pereira
Dupla foi assassinada enquanto trabalhava na região do Vale do Javari

Polícia Federal encontra corpos em área indicada por suspeitos no Amazonas
A informação foi confirmada na noite desta quarta-feira (15) pelo superintendente regional da Polícia Federal no Amazonas, Eduardo Alexandre Fontes

Caso Dom e Bruno: ‘Remanescentes humanos’ são encontrados, diz ministro da Justiça
Suspeito pelo crime levou agentes até o local onde corpos teriam sido enterrados

Em áudio encontrado, Bruno Pereira denuncia pescadores do Vale do Javari: 'Estão atirando'; ouça
O áudio revela a reunião que o indigenista Bruno Pereira participaria na Comunidade São Rafael, no Amazonas, local onde esteve com o jornalista Dom Phillips antes de desaparecerem

"Defendo severa investigação desse crime bárbaro. É preciso dar um basta à impunidade. Meus sentimentos às famílias do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira neste momento inconsolável. Que a coragem desses dois defensores dos direitos humanos e do meio ambiente nos inspire a lutar. O Brasil precisa voltar a ter paz", disse a senadora Simone Tebet (MDB). Já o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) comparou o crime aos assassinatos cometidos pelo grupo Estado Islâmico. "A forma brutal como os assassinos acabaram com as vidas de Bruno e Dom Phillips mostra que a omissão dos governos criou mais que um estado paralelo, fez nascer um versão cabocla do Estado Islâmico, dentro do nosso território", publicou ele no Twitter.

O deputado federal André Janones (Avante) disse que o governo vai falar barbaridades que "nós seres humanos teremos nojo ao escutar sobre a morte de Dom e Bruno. E fará isso pra esconder a tragédia que é a inflação hoje e mais um reajuste nos combustíveis. A cortina de fumaça da vez são vidas e ele com nada se importa", lamentou. Pré-candidato pelo União Brasil, Luciano Bivar também lamentou os assassinatos. "O Brasil inteiro acompanhou as buscas e descobriu que a Amazônia está tomada por invasores criminosos. Esses crimes não podem ficar impunes", defendeu.

VEJA MAIS 

Cartéis de drogas de Miami, Medellín e Sinaloa atuam em área onde Bruno e Phillips desapareceram
Grupos criminosos estão em plena atividade pelos rios, florestas e cidades da tríplice fronteira com a Colômbia e o Peru

Caso Dom e Bruno: ‘Remanescentes humanos’ são encontrados, diz ministro da Justiça
Suspeito pelo crime levou agentes até o local onde corpos teriam sido enterrados

Suspeitos confessam assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips na Amazônia, diz jornal
Os corpos teriam sido decepados e queimados na terra indígena do Vale do Javari

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA