Censo 2022: IBGE vai adesivar casas para facilitar coleta de dados em Belém

Aglomerações subnormais criam dificuldades para os recenseadores

O Liberal

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) adotou uma tática para coletar dados em áreas consideradas como aglomerados subnormais: adesivar as casas de quem já respondeu as perguntas, para organizar melhor o Censo 2022 e evitar repetições e erros.

Na vila São Raimundo, no bairro do Umarizal, mais de 80% das moradias nem constam nos mapas oficiais. Pela primeira vez, elas serão listadas e trazidas para os dados oficiais do órgão.

VEJA MAIS

Censo 2022 já contou mais de 2 milhões de pessoas no Pará em 650 mil domicílios no Estado
IBGE já contabilizou 450.140 indígenas e 386.750 quilombolas em todo o país

IBGE lança Censo 2022 em comunidade quilombola do Pará
A abertura dos trabalhos de coleta junto a essa população ocorreu no território Quilombola Guajará Miri, no município do Acará

A esperança da costureira Edilene da Silva é que a iniciativa impacte positivamente as políticas públicas para o local. "É legal pois vemos que temos importância como ser humano. Isso reflete no saneamento, saúde. Os Correios não vem até aqui. A gente busca lá na frente. Estando no mapa fica melhor", diz ela, que tem 55 anos e mora lá desde que nasceu. 

A vila São Raimundo parece até o labirinto, com diversas ramificações e curvas, além de casas de todos os tamanhos, nos altos e baixos. Tudo isso no coração de um bairro considerado nobre. Antes do início do trabalho, uma transeunte viu a equipe do IBGE e questionou: "já conseguiram desvendar e entender essa vila?".

Apesar das diferentes denominações de acordo com cada região do país, os aglomerados subnormais possuem características comuns: ocupação irregular de terrenos, padrão urbanístico irregular e carência de serviços públicos essenciais.

Censo 2022: IBGE abre mais 30 vagas no Pará para recenseador e agentes censitário
Instituto oferta mais de 8 mil vagas em todo o Brasil; inscrições são gratuitas

Censo 2022: IBGE inicia coleta entre indígenas do Pará
Serão visitadas 75 etnias indígenas em solo paraense, com maior concentração populacional no Sudoeste do Estado

Ananindeua: IBGE realiza coleta domiciliar para censo demográfico 2022
Ananindeua, segunda maior população do Estado, tem 400 recenseadores executando a coleta de 145 mil domicílios

Trabalho de campo é fundamental

Segundo um estudo feito pelo órgão em 2020, Belém era a capital do país com maior proporção de domicílios em aglomerados subnormais: 55,5% dos domicílios ocupados estavam localizados em aglomerado subnormal (entre municípios com mais de 750 mil habitantes).

Em seguida, aparecem Manaus (53,4%) e Salvador (41,8%). Em números absolutos, Belém era o quinto município do país, com 225.577 domicílios localizados em aglomerados. O primeiro era São Paulo (529.921), seguido de Rio de Janeiro (453.571), Salvador (375.291) e Manaus (348.684).

O mesmo estudo também revelou que Ananindeua e Marituba também tinham altas porcentagens de domicílios ocupados em aglomerados subnormais. Na lista de municípios com população entre 350 mil e 750 mil habitantes, Ananindeua aparecia como segundo do Brasil na proporção de domicílios em aglomerados: 53,51% de seus domicílios ocupados estava em aglomerados subnormais (um total de 76.146 domicílios).

Na estimativa dos municípios com população entre 100 mil e 350 mil habitantes, Marituba era o primeiro do Brasil, com 61,21% de seus domicílios ocupados em aglomerados subnormais.

Saiba como identificar quem é do IBGE e não cair no golpe do recenseador falso no Censo 2022
População conta com recursos de segurança para identificar trabalhadores da coleta

IBGE inicia pesquisa do Censo Demográfico 2022 no Pará
Cerca de 6 mil recenseadores devem visitar mais de 2 milhões de casas em todo o estado

No ranking dos estados, o Pará ficou na quarta colocação, com 432.518 domicílios ocupados em aglomerados, o que significa que 19,68% do total de seus domicílios ocupados estavam em aglomerados subnormais. Acima do Pará apareciam Amazonas (393.995 domicílios ou 34,59%), Espírito Santo (306.439 domicílios, 26,10%) e Amapá (36.835, 21,58%).

O coordenador técnico do Censo, Luiz Martins, conta que os adesivos auxiliam muito, já que há muitas fragilidades no endereçamentos e muita proximidade entre as residências. "Estamos tendo uma receptividade muito boa, pois eles sabem que isso vai gerar melhorias", diz.

Cristiane Aood é supervisora e conta que o trabalho de campo é extenso e importante para garantir a cidadania dos brasileiros. "Temos números duplicados, cada pessoa escolhe o número, mas com o recenseador fazendo amizade com os moradores, estamos finalizando esse trabalho. O nosso trabalho é fazer com que todos saibam que essas pessoas existem. Casas que há 10 anos eram duas hoje viraram quatro, por exemplo. São casos de grande frequência em Belém. A população cresce e não se tem mais espaço, com mais casas surgindo, novas famílias se formando, mais gente nascendo", afirma.

João Luiz Borges é recenseador e ficou bem próximo dos moradores ao longo do trabalho. A experiência, segundo ele, tem sido gratificante. "Até eu, que morava nesse entorno, não sabia que existia tanta passagem. Bater na casa de cada um para que todos respondam a pesquisa valoriza a pessoa enquanto indivíduo".

Palavras-chave

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA