Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

'Como eu gostaria que governadores fizessem o que eu faço', diz presidente Jair Bolsonaro, em Marabá

Em evento com aglomerações e pessoas sem máscara, presidente voltou a criticar as medidas restritivas contra a covid-19 e o MST

O Liberal

Em seu pronunciamento durante a entrega simbólica de mais de 50 mil títulos de terra a famílias de produtores rurais de Marabá, o presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar as medidas restritivas adotadas por governos estaduais para conter o avanço do novo coronavírus, e também o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O evento ocorreu no Parque de Exposições José Francisco Diamantino, espaço cedido pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Marabá (Prorural), para a realização da cerimônia. Várias pessoas se aglomeraram no local, muitas delas sem máscara, assim como autoridades presentes. 

. Veja o Minuto a Minuto da visita de Jair Bolsonaro a Marabá, Novo Repartimento e Belém

Antes de seu discurso, Bolsonaro recebeu os títulos de Cidadão Marabaense e Jacundaense, entregues por vereadores desses dois municípios. Após agradecer os apoiadores, ele falou sobre a entrega dos títulos de terra às famílias do Estado. "Somos um povo privilegiado, que tem uma Amazônia, que tem recursos minerais como o Estado do Pará em abundância, que tem terras agricultáveis a perder de vista e tem água potável que servem não só para nossa sobrevivência, mas alimentar mais de um bilhão de pessoas no mundo. Hoje, o produto vem da terra e o homem só pode produzir se tiver segurança naquilo que trabalha. Esses títulos, distribuídos aqui, são um direito de vocês", declarou, durante a cerimônia. "Cada vez mais, nós afastamos as atividades nefastas do MST. A propriedade privada é sagrada, mas tem muito mais coisas que nós consideramos sagradas", completou.

VEJA TAMBÉM

. Sem máscara, presidente Jair Bolsonaro desembarca em Marabá e é recebido por apoiadores
. Justiça nega pedido do MPF para aplicação de multa por aglomeração em visita de Bolsonaro ao Pará
. No Pará, Jair Bolsonaro indica tratamento precoce contra a covid e diz: 'Sou imorrível'
. Presidente Jair Bolsonaro confirma que indicará evangélico para o Supremo Tribunal Federal

Gestores estaduais também foram alvo do pronunciamento do presidente. "Como eu gostaria que governadores fizessem o que eu faço", disse, na abertura de seu discurso, referindo-se às medidas adotadas contra a proliferação da covid-19. "O nosso dirieto de ir e vir é sagrado, direito ao trabalho também, a nossa liberdade de culto também. Eu lamento que muitos governadores usurparam disso e fecharam o comércio, obrigaram o povo a ficar em casa, decretaram o lockdown e também o toque de recorrer", comentou.

"Tiraram o sustento dos mais humildes que, apavorados, não tinham como sobreviver. Essas atitudes, além de não recomendáveis, obviamente atingem a dignidade da pessoa humana. Esse presidente que vos fala, não fechou um “botequim” sequer. Muito pelo contrário, quando o povo começou a sentir necessidade pelo fechamento do comércio, criou o auxílio emergencial", declarou o presidente, que foi ovacionado pelo público.

"Somente ano passado, destinamos R$ 300 bilhões ao auxílio emergencial, isso equivale a dez anos de bolsa família. É obrigação nossa atender aos mais humildes. Temos problemas no momento, de inflação, temos. Mas se o homem do campo não tivesse trabalhado, não teríamos inflação, teríamos desabastecimento, que é muito pior", disse o presidente.

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA