Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Barroso e Pacheco discutem alternativas para bancar piso salarial dos enfermeiros

Principal alternativa seria a correção da tabela do SUS, afirma o presidente do Senado

Emilly Melo

Em uma reunião realizada entre o ministro Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), na última terça-feira (6), foram discutidas propostas para identificar a fonte de recursos para executar a lei do piso salarial da enfermagem, suspensa por decisão do magistério. As informações são do Uol. 

A reunião foi fechada à imprensa, devido aos preparativos de segurança para o 7 de Setembro, e durou cerca de uma hora. O magistério e o senador levantaram três possibilidades: 

  • Desoneração da folha de pagamento do setor da enfermagem;
  • Compensação da dívida dos estados com a União; 
  • Correção da tabela do Sistema Único de Saúde (SUS). 

Pacheco afirmou que a última opção seria mais “viável”. “É o caminho mais viável e espero muito a colaboração do Poder Executivo, a compreensão do dilema que estamos enfrentando e, repito, passa a ser uma prioridade nacional e do Congresso, que é fazer valer a lei do piso nacional da enfermagem."

VEJA MAIS

Barroso suspende lei que criou piso salarial para a enfermagem após ‘risco ao sistema de saúde'
O ministro afirmou que tem medo que a nova lei traga demissões em massa caso for implementada

Em Belém, profissionais de Saúde vão às ruas contra suspensão do piso da Enfermagem
Após quase quatro horas, manifestação terminou no Mercado de São Brás

O senador afirmou ainda que o ministro pretende encontrar uma solução para arcar com os custos do piso salarial de enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem. Barroso planeja marcar uma reunião com os ministros Paulo Guedes (Economia), Marcelo Queiroga (Saúde) para tratar do assunto. 

Por meio de nota, o Supremo informou que Barroso e Pacheco defendem a importância do piso salarial e concordam em encontrar uma forma de viabilizar a execução do pagamento dos salários. Apesar de terem sido discutidas três propostas, não foi detalhado como seriam executadas. 

A nota também relembra que a decisão de Barroso será levada para referendo no plenário do Supremo a partir desta sexta (9). Neste julgamento, os ministros decidem se validam ou não a decisão proferida pelo colega. A sessão durará até a sexta-feira seguinte (16).

(*Emilly Melo, estagiária, sob supervisão de Keila Ferreira, coordenadora do Núcleo de Política)

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA