Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Barroso suspende lei que criou piso salarial para a enfermagem após ‘risco ao sistema de saúde'

O ministro afirmou que tem medo que a nova lei traga demissões em massa caso for implementada

O Liberal

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu suspender,  neste domingo (4), a lei que criou o piso salarial da enfermagem. A decisão ocorreu um dia antes que o valor - fixado em R$ 4.750 para setores públicos e privados - fosse pago pela primeira vez. As informações são do G1 Política.

VEJA MAIS

Governo sanciona Projeto de Lei (PL) que estabelece piso nacional da enfermagem
Ato ocorreu durante uma cerimônia realizada na tarde desta quinta-feira (4), no Palácio do Planalto

Projeto que garante piso nacional da enfermagem é aprovado pelo Senado
Medida deve beneficiar 1,3 milhão de profissionais que recebem abaixo do piso, segundo Conselho Federal de Enfermagem. Projeto garante segurança jurídica à aplicação do piso

A resolução seria mantida por 60 dias até que estados, municípios, órgãos do Governo Federal, conselhos e entidades da área de saúde informaram, detalhamento, o impacto financeiro que a nova lei traria e quais seriam os riscos de demissões em massa caso o piso fosse implementado.   

Barroso avaliou que há, sim, risco de piora na prestação de serviço de saúde, principalmente em hospitais públicos e ligados ao SUS e Santas Casas.  Isso porque, as próprias instituições indicaram a possibilidade de reduzir ofertas de leitos e despedir funcionários caso o piso salarial seja, de fato, instalado.  

Gastos

De acordo com o Dieese, para cumprir com os pisos salariais propostos seria necessário desembolsar cerca de R$ 4,4 bilhões ao ano para Municípios, de R$ 1,3 bilhões ao ano para os Estados e de R$ 53 milhões ao ano para a União.

Já a Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas (CMB) o desembolso seria muito maior, cerca de R$ 6,3 bilhões ao ano. 

Desvantagens

Ainda foi apontada a possibilidade de 80 mil profissionais de enfermagem serem demitidos e se fecharem cerca de 20 mil leitos. Para o ministro, é preciso, sim, valorizar a categoria, mas neste momento “é necessário atentar aos eventuais impactos negativos da adoção dos pisos salariais impugnados”.  

“(...) De um lado, encontra-se o legítimo objetivo do legislador de valorizar os profissionais de saúde, que, durante o longo período da pandemia da Covid-19, foram incansáveis na defesa da vida e da saúde dos brasileiros. De outro lado, estão os riscos à autonomia e higidez financeira dos entes federativos, os reflexos sobre a empregabilidade no setor, a subsistência de inúmeras instituições hospitalares e, por conseguinte, a própria prestação dos serviços de saúde”, afirmou.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL