Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Projeto que garante piso nacional da enfermagem é aprovado pelo Senado

Medida deve beneficiar 1,3 milhão de profissionais que recebem abaixo do piso, segundo Conselho Federal de Enfermagem. Projeto garante segurança jurídica à aplicação do piso

O Liberal

Os senadores aprovaram, nesta quinta-feira (2), em dois turnos, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 11/2022 que estabelece o piso na enfermagem. Pelo texto, enfermeiros devem receber o valor mínimo de R$ 4.750, enquanto o piso dos técnicos de enfermagem será 70% desse valor e o dos auxiliares de enfermagem e parteiras 50%. As informações são da Agência Brasil.

VEJA MAIS

Aprovação de piso da enfermagem deve beneficiar 91.295 mil enfermeiros paraenses
O projeto é de autoria do senador Fabiano Contarato, do Espírito Santo

Piso salarial de R$4,7 mil para enfermeiros é aprovado
A aprovação ocorreu por 449 votos favoráveis contra 12 contrários

Câmara dos Deputados e Senado já haviam aprovado o Projeto de Lei 2.564/2020, mas a nova aprovação garante segurança jurídica à aplicação do piso, ao incluir a obrigatoriedade de remuneração mínima também na Constituição. Isso porque o PL aprovado pelo Congresso Nacional não prevê fonte de recursos.

Sem a PEC, o pagamento do piso poderia ser suspenso pelos tribunais, sob o argumento de vício de iniciativa.

Dados do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) apontam que mais de 1,3 milhão de profissionais serão diretamente beneficiados com a medida, pois recebem menos do que os valores estabelecidos no PL 2.564/2020, sendo 80% trabalhadores de nível médio, a grande maioria técnicos de enfermagem.

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA