logo jornal amazonia

Suspeitos de armanezar vídeos de abuso sexual infantojuvenil são presos em Belém

As prisões ocorreram durante a Operação “Atvparaleks” deflagrada pela PF nesta quinta-feira (29)

O Liberal

Duas pessoas, não identificadas por questões de segurança, foram presas em flagrante nesta quinta-feira (29), em Belém, suspeitos de colecionar conteúdo relacionados ao abuso sexual infantojuvenil em seus dispositivos eletrônicos. A prisão ocorreu após a deflagração da Operação “Atvparaleks”, da Polícia Federal (PF), que visa combater compartilhamento e produção de materiais relacionados a esse tipo de crime na rede social X, o antigo Twitter. 

VEJA MAIS

image PF cumpre mandado de busca e apreensão contra abuso sexual infantojuvenil em Belém
Suspeito, que não foi preso, baixava imagens ilícitas pela internet

image Pedófilo que colecionava brinquedos para atrair crianças na internet é preso
O suspeito foi detido na manhã desta quarta-feira (26) após divulgar conteúdos de exploração sexual infantil

image 'Rede de Proteção': PF dá início à operação nacional de combate ao abuso sexual infantil
Ações que começam hoje, 26, são centradas em crimes sexuais contra crianças por meio da internet

As prisões ocorreram durante o cumprimento de quatro mandados de busca e apreensão, expedidos pela 3ª Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Pará. Os computadores e celular dos suspeitos foram levados e serão submetidos a perícia técnica. 

De acordo com a PF, as investigações iniciaram após o órgão começar receber denúncias de que usuários do “X” estavam compartilhando arquivos de pornografia de crianças e adolescentes em suas páginas na rede social. 

“Utilizando técnicas avançadas de investigação de crimes cibernéticos, a Polícia Federal identificou os donos dos quatro perfis da rede social”, explicou a PF em nota. 

As investigações da PF mostram que os envolvidos no crime se conheciam e conversavam por meio de um chat na rede social, onde compartilhavam os arquivos de conteúdos pornograficos. Os suspeitos chegaram a divulgar as imagens em seus perfis, mas o próprio “X” derrubou as contas e as publicações após as denúncias. 

Os dois investigados vão responder pelos crimes de armazenamento, compartilhamento e produção de pornografia infantojuvenil, previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), além de outros crimes que sejam descobertos no decorrer das investigações. 

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Polícia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA