Quatro presos são mortos durante transferência de presídio de Altamira a Marabá

Detentos estavam entre os 30 transferidos em caminhão-cela rumo a Belém após massacre

Redação Integrada

Quatro dos 30 internos que estavam sendo transferidos desde ontem (30) em um caminhão-cela que partiu do presídio do Centro de Recuperação Regional de Altamira (CRRA) para Belém, foram mortos por asfixia, confirmou esta manhã o governo do Estado. As mortes teriam ocorrido durante um desentendimento entre os presos dentro do transporte do sistema penitenciário, na noite desta terça (30). O comboio que levava os detentos havia partido ao meio-dia desta terça de Altamira. Com essas mortes, sobe para 62 o números de apenados mortos após o ocorrido na casa penal do oeste do Pará.

LEIA MAIS:
Mais um detento morto é achado em presídio de Altamira
Detentos de Altamira temiam mortes em presídio, dizem familiares
CNJ classifica como péssimas as condições da cadeia de Altamira

CNJ pede ao TJPA informações sobre massacre em presídio de Altamira
Presos transferidos chegam a Belém e seguem para o complexo de Americano
Apenas dez dos 46 transferidos após massacre de Altamira vão para prisões federais
Conflito entre duas facções motivou massacre em Altamira; entenda
Massacre em presídio de Altamira é o maior do ano em um único presídio no Brasil

Transferências envolvem 46 detentos
 

Durante as mortes, o caminhão-cela pernoitava em Marabá, também no sudeste do Estado, antes de seguir para Belém. A finalidade era remanejar os presos para outros estados e outras casas penais do Pará. Ao todo, 46 detentos do Centro de Recuperação Regional de Altamira estavam sendo transferidos desde ontem (30) pela manhã de Altamira a Belém.

Desses apenados, 30 dos participantes do confronto eram trazidos à capital no caminhão-cela. Outros 16 já haviam sido tranferidos ontem (30) em aeronaves que pousaram em Belém, e foram levados ao complexo penitenciário de Americano, em Santa Izabel - onde aguardam decisão judicial para tranferências a unidades prisionais federais de outros estados e também a outras cadeias paraenses.

As transferências foram determinadas após o massacre de 58 internos na casa penal de Altamira, durante confrontos de facções criminosas, na última segunda-feira (29). 

Presos seriam da mesma facção, diz governo
   

Segundo nota da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), as quatro mortes ocorreram no trecho entre Novo Repartimento e Marabá. A Segup diz que as vítimas seriam da mesma facção e viviam juntos nas mesmas celas. "Foram comparsas no confronto entre facções. Durante o transporte, estavam algemados, divididos em quatro celas. A capacidade das celas era para até 40 presos, e 30 eram transportados. O Estado não possui caminhão com celas individuais", informou a nota do governo do Estado do Pará.

A ação criminosa teria ocorrido entre 19h de ontem e uma da manhã desta quarta-feira. Ao chegar a Marabá, os agentes encontraram os quatro presos mortos por sufocamento em duas celas. "Os 26 presos remanescentes serão colocados em isolamento. As razões deste fato lamentável estão sendo investigadas", diz a nota do governo.

Os corpos dos quatro presos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Marabá para realização de exames de necropsia.

Em boletim de ocorrência acessado pela redação integrada de O Liberal, relatando o fato, os quatro presos mortos são identificados como Dhenison de Souza Ferreira, José Ítalo Meireles de Oliveira, Werik de Souza Lima e Vanildo Moreira Mendes.  

Número de vítimas do massacre sobe 

Na noite desta terça (30), já havia subido de 57 para 58 o número de presos mortos durante um massacre ocorrido na segunda (29) no Centro de Recuperação Regional de Altamira, no oeste paraense.

O Instituto Médico Legal do Pará confirmou uma nova morte durante a noite de ontem. Após fazer uma nova checagem no local, autoridades encontraram mais um detento morto sob os escombros da unidade penal. 

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!