Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Massacre em Altamira tem mais um detento morto

Corpo de mais um preso morto durante rebelião estava sob os escombros da unidade penal

Redação Integrada

Subiu para 58 o número de presos mortos durante um massacre ocorrido, na segunda-feira (29), no Centro de Recuperação Regional de Altamira, no oeste paraense. O Instituto Médico Legal do Pará confirmou a morte na noite desta terça-feira (30), após fazer nova checagem no local e encontrar um detento sob os escombros da unidade penal. 

Os profissionais do IML trabalham neste momento para identificar a vítima.

Entenda o caso - Detentos do Centro de Recuperação Regional de Altamira (CRRA), no sudeste do Pará, iniciaram um confronto por volta das 7 horas da manhã da segunda-feira (29). Os líderes do Comando Classe A (CCA) colocaram fogo em uma cela que pertence a um dos pavilhões do presídio, onde ficavam integrantes do Comando Vermelho (CV). De acordo com o superintendente da Susipe, Jarbas Vasconcelos, devido à unidade ser mais antiga, construída de forma adaptada a partir de um contâiner, com alvenaria, o fogo se alastrou rapidamente e alguns dos internos morreram por asfixia. Nenhum servidor do órgão foi morto.

Local ficou parcialmente destruído após ação dos grupos criminosos (Bruno Cecim / Agência Pará)

Ainda na segunda-feira, o Governo do Pará anunciou que faria a transferência de 46 presos que estavam custodiados em Altamira, para outras unidades penitenciária, o que foi concluído na noite desta terça (30). Ao todo, 16 deles vieram para Belém e, da capital, 10 serão levados para unidades penitenciárias de outros estados e seis serão redistribuídos para carceragens da região metropolitana de Belém. Os 30 restantes, ficarão em outras penitenciários do Pará.

Palavras-chave

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA