Homem é encontrado enterrado de cabeça para baixo em Santo Antônio do Tauá

'Cuia', como era conhecido, estava há oito dias desaparecido

Depois de oito dias desaparecido, chegou ao fim de forma trágica nesta quarta-feira (12) a busca por Luiz Souza Trindade, homem achado morto em Santo Antônio do Tauá, no nordeste paraense. Uma campanha nas redes sociais fez com que dezenas de pessoas compartilhassem a foto e o número de contato para informações sobre o paradeiro do pedreiro, que foi encontrado sem vida em uma área de mata, enterrado de cabeça para baixo, possivelmente vítima de uma execução.

De acordo com informações de amigos, por mais de um semana, familiares e conhecidos de Luiz, mais conhecido como Cuia, se concentram nas buscas, com apelos nas redes sociais e incursões por matas da região do Tauá. No começo desta tarde, os parentes foram informados de que um corpo havia sido achado por volta de meio-dia em um terreno baldio no bairro Nova Esperança. 

Chegando lá, eles encontraram o corpo do homem com os pés para foram de uma cova cavada no meio do mato. Com a descoberta, eles acionaram o 12º Batalhão de Polícia Militar (BPM), com sede em Santa Izabel do Pará, que foi ao local e isolou a área até a chegada da Polícia Civil e da unidade regional do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. Devido à dificuldade em remover o corpo, era esperado, até o meio da tarde, a chegada de uma guarnição do Corpo de Bombeiros. 

De acordo com a PM local, uma provável motivação para o crime seja envolvimento com o tráfico de drogas, já que Cuia seria usuário de entorpecentes e pode ter sido morto por traficantes. O caso é investigado por meio da Delegacia de Policia Civil de Santo Antônio do Tauá, que deve levar em consideração esses relatos para chegar aos responsáveis pelo assassinato. 

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM POLÍCIA