logo jornal amazonia

Entenda o que era o 'Liga da Justiça', grupo de extermínio ao qual morto no Satélite era ligado

Além de Mauro Reis Coelho, outros 12 policiais militares e 10 civis faziam parte do grupo envolvido em 130 homicídios

O Liberal
fonte

Mauro Reis Coelho, o homem assassinado dentro de um carro ao lado da filha na manhã desta quinta-feira (8), no Conjunto Satélite, em Belém, era um dos líderes de uma quadrilha de extermínio denominada deLiga da Justiça”, segundo o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA). O grupo estava envolvido em mais de 130 homicídios e tinha ramificações em outros estados brasileiros

O outro líder era o ex-policial militar Rosivan Moraes Almeida, condenado em 2014 a 120 anos de prisão por envolvimento na “chacina de Icoaraci”, conforme a denúncia apresentada pelo Ministério Público. O crime aconteceu em 9 de novembro de 2011 e seis adolescente foram executados com tiros na cabeça.

image Bando armado e encapuzado executa homem dentro de carro na manhã desta quinta (8) no Satélite
Os assassinos seriam quatro homens, três deles armados e encapuzados, que estavam em outro veículo

image Bando armado e encapuzado executa homem dentro de carro na manhã desta quinta (8) no Satélite
Os assassinos seriam quatro homens, três deles armados e encapuzados, que estavam em outro veículo

image ​Homem morto no Satélite havia sido preso por envolvimento em 136 assassinatos
Mauro Reis Coelho integrava um grupo de extermínio do Pará conhecido como “Liga da Justiça”, responsável pelos homicídios nas regiões Norte e Nordeste do país

image Perícia em corpo de homem assassinado no Satélite já dura 6 horas
O crime foi por volta das 7h e, até às 13h, equipes da Polícia Científica do Pará (PCP) faziam a análise do cadáver, bem como da cena do crime

 

O que era o grupo de extermínio "Liga da Justiça"?

Em 2007, o MPPA, por meio da Promotoria de Justiça de Icoaraci e do Grupo Especial de Prevenção e Repressão às Organizações Criminosas (Geproc), ofereceu uma denúncia contra 21 pessoas acusadas da prática de organização criminosa. Na época, o grupo Liga da Justiça era voltado para execução de crimes de homicídio, latrocínio, extorsão, associação para o tráfico, comércio ilegal de entorpecentes e de armas, falsidade ideológica, exploração e jogos de azar, entre outros tipos de atitutes ilícitas.

Quem integrava o "Liga da Justiça"?

Entre os integrantes do grupo, doze eram policiais militares e outros 10 eram civis, lotados em duas unidades da Região Metropolitana de Belém. A apuração do Ministério Público verificou, em 2006, que a maioria dos crimes tinha a participação de motoqueiros.

Foi então que, em 2008, a operação “Navalha na Carne” foi deflagrada com os 32 mandados de prisão expedidos pela Justiça. As ordens judiciais tiveram como alvos 16 policiais militares e 16 civis

A ação policial apreendeu granadas, revólveres, pistolas, munições de diversos calibres, utensílios usados para a prática de torturas e máquinas caça-níqueis.

Prisão de Mauro

Mauro foi preso no Maranhão, em 6 de novembro de 2012, durante uma fiscalização rotineira em posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), localizado na rodovia BR-135. Na ocasião, ele teria se apresentado com cabo da PM aos agentes rodoviários. 

O suspeito portava uma identidade falsa, um revólver calibre 357 contendo 12 munições. A arma era pertencentes à Secretaria de Segurança Pública do Rio Janeiro.

Pulan, como era conhecido, foi autuado na Delegacia de Itapecuru Mirim – que fica a 118 quilômetros de distância de São Luís. Depois o acusado foi encaminhado para a capital maranhense, onde ficou custodiado na Penitenciária de Pedrinhas.

Na época da prisão, a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão informou que, segundo investigações da PRF, havia “indícios fortíssimos” de que foram mais de 136 assassinatos cometidos pelo grupo. Na época, a polícia maranhense também não descartou a possibilidade de o número de homicídios ser muito maior.

Polícia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA