logo jornal amazonia

​Homem morto no Satélite havia sido preso por envolvimento em 136 assassinatos

Mauro Reis Coelho integrava um grupo de extermínio do Pará conhecido como “Liga da Justiça”, responsável pelos homicídios nas regiões Norte e Nordeste do país

O Liberal
fonte

Mauro Reis Coelho, o homem assassinado dentro de um carro ao lado da filha na manhã desta quinta-feira (8), no Conjunto Satélite, em Belém, já havia sido preso no Maranhão, em novembro de 2012. Mauro era acusado de integrar um grupo de extermínio do Pará conhecido como “Liga da Justiça”, responsável por pelo menos 136 assassinatos nas regiões Norte e Nordeste do país.

Conhecido como “Mauro Pulan”, o homem era considerado​​ pela polícia um “criminoso perigoso”. Ele foi preso por uma equipe da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR-135. Ele foi autuado na Delegacia de Itapecuru Mirim (a 118 km de São Luís) e encaminhado para a capital maranhense, onde ficou custodiado na Penitenciária de Pedrinhas.

VEJA MAIS

image Recém-saído da prisão, homem é morto com vários tiros de arma de fogo em Redenção (PA)
Vitima foi identificada como Breno Formiga Nascimento. Crime aconteceu no bairro Capuava no fim da noite de segunda-feira, 28

image Feminicídio: mulher foi morta a facadas num kit net em Ananindeua; companheiro da vítima é suspeito
Um celular e duas facas foram encontrados na cena do crime. O suspeito e a vítima trabalhavam no Ver-o-Peso

image Idoso é encontrado morto e amarrado dentro de casa no bairro da Pedreira; suspeito saiu de bicicleta
A vítima ia completar 60 anos em dezembro e foi morto a facadas, sem chance de defesa



Na época da prisão, a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão se manifestou e disse que, segundo investigações da PRF, havia “indícios fortíssimos” de que foram mais de 136 assassinatos pelo grupo. A polícia maranhense informou, na época, que não descartou a possibilidade de o número de homicídios ser muito maior.

Segundo a polícia, no momento da prisão, Pulan estava com um revólver pertencente à Secretaria de Segurança Pública do Rio Janeiro e uma carteira falsa de policial militar do Pará.

“Liga da Justiça”

Segundo a polícia, a “Liga da Justiça” era um dos grupos mais atuantes do crime no Pará, com ramificações em outros estados. Em 2008, por exemplo, o grupo de extermínio era formado por 21 integrantes – 12 deles haviam sido presos ​n​a Operação Navalha na Carne, da Polícia Civil do Pará. Policiais militares também foram investigados por participação no grupo.

Na época, o grupo foi denunciado pelo Ministério Público Estadual pelos crimes cometidos. Além de assassinatos, o grupo também seria responsável por outros crimes como extorsão, latrocínio, associação para o tráfico, comércio ilegal de entorpecentes, comercio ilegal de armas, falsidade ideológica, exploração de jogos de azar, sequestro e formação de quadrilha.

Polícia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA