Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Caso Yasmin: médico legista diz à Marinha que estava armado e fez disparos

Ao lado de advogado criminalista Marco Pina, Euler Magalhães prestou à capitania dos Portos três horas de depoimento, na condição testemunha, nesta sexta (4). Marinha investiga queda da lancha após morte da influencer no rio Maguari, em dezembro

João Paulo Jussara

O médico legista Euler André Magalhães da Cunha, conhecido como Dr. Léo, reafirmou que estava armado e que atirou durante o passeio de lancha no qual a influencer e universitária Yasmin Cavaleiro de Macêdo desapareceu, no dia 12 de dezembro do ano passado. Um dia depois, o corpo da jovem foi encontrado nas águas do Rio Maguari. Euler prestou depoimento na manhã desta sexta-feira (4), na condição de testemunha, na sede da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental, em Belém.

VEJA MAIS

Caso Yasmin: 'Euler não viu o momento da queda', diz advogado de médico legista à Marinha
Euler Magalhães foi ouvido por três horas na sede da capitania dos Portos, nesta sexta (4). Depoimento foi dado ao lado do advogado dele, o criminalista Marco Pina

Caso Yasmin: Processo concentra relatos de que Lucas Magalhães estaria armado e teria atirado, diz advogado
Em depoimento prestado na última terça-feira (1), o dono da lancha negou a versão de outras testemunhas e suspeitos envolvidos diretamente no caso

"O Dr. Euler ratificou as informações já prestadas na Polícia Civil e adicionou algumas outras respostas que foram perguntadas aqui. Ele assumiu novamente que estava com uma arma de fogo, assumiu que outra pessoa estava com arma de fogo e assumiu, também, que atirou, assim como também disse que outras duas pessoas atiraram. Ele também disse que não percebeu ninguém se jogar na água por conta dos disparos", disse Marco Antônio Pina, advogado do médico.

"Por que o Dr. Euler veio depor na Marinha? Porque no dia do ocorrido houve uma denúncia sobre a queda na água de uma pessoa, no caso, a Yasmin. A partir daí, a Capitania dos Portos instaurou um inquérito para apurar a queda na água, porque as circunstâncias, a causa da morte, isso tudo é com a Polícia Civil", ressaltou o criminalista.

Caso Yasmin: Reconstituição deve ocorrer ainda este mês, diz advogado
Na última terça-feira (1), o delegado Cláudio Galeno informou que a Polícia Civil já esteve em reunião com a Polícia Científica do Pará (PCP) para tratar dos procedimentos de realização da reconstituição do caso

Caso Yasmin: delegado detalha próximos passos da investigação
Na manhã desta terça (1), houve uma reunião com peritos da Polícia Científica do Pará (PCP) para organizar a reprodução simulada dos fatos, que deve ocorrer nas próximas semanas. Também há depoimentos para serem colhidos

Relembre o caso

Yasmin Cavaleiro de Macêdo desapareceu na noite do dia 12 de dezembro, durante um passeio de barco pelas águas do rio Maguari, em Belém, onde estavam outras 15 pessoas. A jovem teria sumido por volta de 22h30, em circunstâncias que ainda não foram alinhadas em virtude da divergência de informações prestadas pelas testemunhas convocadas a depor. A mãe da influencer, Eliene Cristina Fontes, declarou que há, pelo menos, três versões do que teria acontecido naquela noite, segundo pessoas que estavam na lancha.

O corpo da estudante foi encontrado às 12h40 de segunda-feira, dia 13 de dezembro, no distrito de Icoaraci, próximo a uma marina particular, a aproximadamente 11 metros de profundidade. A mãe da influencer declarou ter havido relatos de que Yasmin teria caído. Outro depoimento mencionou que a vítima teria usado a escada da embarcação para urinar e acabou sumindo. Uma terceira versão dá conta de que ela teria mergulhado no rio e desparecido. Durante depoimentos recentes prestados por passageiros, a polícia descobriu que tiros foram disparados na lancha.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA