Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Caso juíza Monica de Oliveira: confira o depoimento do juiz registrado no boletim de ocorrência

O juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior relata discussão com a esposa na noite anterior à que ele levou o corpo dela à delegacia

O Liberal

O juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior, da 1ª Vara da Infância e da Juventude de Belém, que levou o corpo da esposa, Monica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira, também juíza, até a Divisão de Homicídios, localizada no bairro de São Brás, em Belém, após tê-la encontrado morta dentro de seu carro, detalhou as primeiras informações sobre o caso em boletim de ocorrência, registrado às 7h56 da manhã desta terça-feira (17).

VEJA MAIS

Caso juíza Monica de Oliveira: o que se sabe sobre a causa da morte, velório e relação com o juiz
Juíza Monica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira foi encontrada morta dentro do carro do esposo, o também juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior na manhã da terça-feira

Segundo o documento, os juízes tiveram uma discussão, ainda na noite da última segunda-feira (16). Por volta das 22h30, Monica teria arrumado as malas e descido até o estacionamento do prédio do casal, dizendo que iria viajar. Por volta das 6h40 da manhã desta terça-feira (17), conforme consta no B.O, quando iria sair para trabalhar, João não teria encontrado a chave de seu carro.

Caso juíza Monica de Oliveira: prefeitura da cidade onde a juíza nasceu se manifesta sobre o caso
Juíza Monica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira nasceu em Barra de Santana, município localizado na Região Metropolitana de Campina Grande, na Paraíba.

Caso juíza Monica de Oliveira: vizinhos relatam movimentação no local onde o caso ocorreu
Corpo da juíza Monica Andrade Figueiredo de Oliveira teria sido encontrado dentro de um veículo no estacionamento do edifício Real Dream

Ele, então, teria pego a chave reserva para sair para trabalhar. Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, ao chegar na garagem onde o veículo estava estacionado, a porta do automóvel se encontrava aberta, o que teria levado o magistrado a pensar que sua esposa havia passado a noite dentro do veículo.

Caso juíza Monica de Oliveira: peritos contestam depoimento de juiz sobre local onde caso ocorreu
Após uma diligência no prédio, que foi informado pelo juiz João Augusto como endereço do casal e local onde ela teria morrido, a Polícia Científica do Pará afirmou que o local estava errado

Caso juíza Monica de Oliveira: veja quem era a paraibana Monica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira
Monica de Oliveira, 46 anos, deixou dois filhos, um adulto e uma adolescente, do primeiro casamento

Caso juíza Monica de Oliveira: juiz aponta prédio como local da morte; condomínio nega
No boletim de ocorrência, o juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior afirma que o caso ocorreu em um prédio residencial. Porém, a administração do condomínio afirma que não há registro de entrada ou saída do magistrado. Ele não moraria lá há mais de cinco anos.

“Mas, ao aproximar-se, percebeu que sua esposa tinha cometido suicídio e, para isso, usou a arma de fogo do relator (João), que sempre fica guardada dentro do carro”, diz o documento.

O juiz teria observado que o corpo de Monica Maria estava enrijecido, frio e tinha sangue saindo da boca, finaliza o B.O.

Foi neste momento que o magistrado teria entrado no veículo, com o corpo dentro, e se deslocado até a Divisão de Homicídios, onde foram tomadas as providências cabíveis. O documento não esclarece, porém, sobre o porquê de o juiz João Augusto ter tomado tal atitude.

Conforme consta no boletim de ocorrência, tudo teria se passado no Edifício Rio Miño, na avenida Gentil Bittencourt, nº 1226, em Nazaré, bairro nobre de Belém. Porém, procurada pela reportagem, a administração do condomínio negou que o caso tenha ocorrido lá. Inclusive garantiu que nem João e nem Monica moravam lá.

Caso juíza Monica de Oliveira: entenda o relacionamento dos juízes envolvidos no caso
Monica residia em Campina Grande, na Paraíba, e periodicamente vinha ao Pará para visitar o marido

Caso juíza Monica de Oliveira: Juiz que levou o corpo à polícia diz que mulher cometeu suicídio
Juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior contou detalhes sobre o momento em que encontrou a esposa morta dentro de um carro no estacionamento de um prédio

Entenda a importância da preservação e isolamento do local do crime
Alterar uma cena de crime pode ocasionar pena de até 4 anos

O gerente do condomínio Rio Miño, Anderson Souza Alves, afirmou, por telefone, que o juiz João Augusto não mora no prédio há pelo menos cinco anos. E nunca viu ou ouviu falar da juíza Monica. Ele informou que conversou com os porteiros e moradores.

Não houve nenhum registro de entrada ou saída dos juízes, nem mesmo como convidados ou moradores. Também não houve qualquer ocorrência notada, como barulhos estranhos, brigas, muito menos o barulho de um tiro.

Na tarde desta terça-feira (17), na Divisão de Homicídios, a reportagem conseguiu apurar que o caso, na verdade, teria ocorrido no Edifício Real Dream, que fica na travessa Três de Maio, 1200, bairro de São Brás, em Belém. A Polícia Civil acredita que pode ter ocorrido um erro no cadastro do documento.

A reportagem de O Liberal entrou em contato com a Polícia Civil, por meio de sua assessoria de comunicação, e aguarda retorno com esclarecimentos sobre esses pontos. A reportagem também tenta localizar a defesa do magistrado, para ouvir sua versão sobre o caso.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA