Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Caso juíza Monica de Oliveira: juiz aponta prédio como local da morte; condomínio nega

No boletim de ocorrência, o juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior afirma que o caso ocorreu em um prédio residencial. Porém, a administração do condomínio afirma que não há registro de entrada ou saída do magistrado. Ele não moraria lá há mais de cinco anos.

Victor Furtado

A juíza Monica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira, encontrada morta na manhã desta terça-feira (17), teria cometido suicídio no estacionamento do edifício Rio Miño, que fica na avenida Gentil Bittencourt, nº 1226. A afirmação é do juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior, como consta no boletim de ocorrência registrado após ele deixar o corpo da esposa na Divisão de Homicídios da Polícia Civil. Porém, a administração do condomínio nega que o caso tenha ocorrido lá. Inclusive garante que nem João e nem Monica moravam lá.

Caso juíza Monica de Oliveira: entenda o relacionamento dos juízes envolvidos no caso
Monica residia em Campina Grande, na Paraíba, e periodicamente vinha ao Pará para visitar o marido

Caso juíza Monica de Oliveira: Juiz que levou o corpo à polícia diz que mulher cometeu suicídio
Juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior contou detalhes sobre o momento em que encontrou a esposa morta dentro de um carro no estacionamento de um prédio

O boletim de ocorrência sobre a morte da juíza afirma que o caso ocorreu no residencial Rio Miño, que seria o local onde ela morreu e onde seria endereço de residência do juiz. A administração do condomínio nega moradia, o fato e mesmo presença do casal no endereço. (Reprodução)

Anderson Souza Alves, gerente do condomínio Rio Miño, afirma que o juiz João Augusto não mora no prédio há pelo menos cinco anos. E nunca viu ou ouviu falar da juíza Monica. Em entrevista por telefone à Redação Integrada de O Liberal, ele informou que conversou com os porteiros e moradores. Não houve nenhum registro de entrada ou saída de ambos, nem mesmo como convidados ou moradores. Também não houve qualquer ocorrência notada, como barulhos estranhos, brigas, muito menos o barulho de um tiro.

Caso juíza Monica de Oliveira: o que se sabe sobre a causa da morte, velório e relação com o juiz
Juíza Monica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira foi encontrada morta dentro do carro do esposo, o também juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior na manhã da terça-feira

"Os moradores estão assustados, procuraram a administração, mas certamente não foi aqui. O juiz de fato morava aqui, mas há uns cinco anos e desconheço que ele ainda mantivesse um apartamento aqui e não temos registro da entrada ou saída dele. Sobre essa juíza, nem conhecemos. Esse endereço que foi informado, Gentil 1226, de fato é do Rio Miño, mas não encontramos nenhuma evidência de que esse caso tenha ocorrido no condomínio", garantiu Anderson.

No BO, além de apontar o residencial como local da morte da juíza Monica, o juiz deu esse endereço como o de residência dele. O administrador Anderson reforçou que desconhece que o magistrado ainda mantenha um apartamento no prédio. A Polícia Civil do Pará investiga o caso.

Esta matéria está em atualização, acompanhe!

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA