Você sabia que os líderes da Cabanagem viveram em Barcarena? Conheça a história

Há cinco anos professores, jornalistas, sociólogos, fazedores de cultura, se reúnem para falar da cabanagem todo dia 07 de janeiro.

Márcia Ferreira
fonte

De acordo com a história, na madrugada do dia 07 de janeiro de 1835, na antiga Província do Grão Pará, movidas pelo desejo de ter liberdade, dignidade e direitos institucionais, pessoas negras, indígenas, escravos alforriados, quilombolas e pobres livres, se rebelaram contra o governo da época. Essas pessoas viviam em cabanas, às margens dos rios e por isso, foram chamados de Cabanos.

Popularmente a Cabanagem é uma revolta citada em vários livros de histórias, mas para alguns historiadores especialistas, a Cabanagem foi uma guerra, uma revolução que levou o líder do movimento a governador do Estado.  Com foices e coragem, os Cabanos lutaram por seus direitos e conquistaram o poder. Eram liderados por Eduardo Francisco Nogueira Angelim, partidário do movimento Cabano e foi o terceiro presidente da província do Grão Pará. Morreu no ano de 1882 e foi sepultado na Ilha de Trambioca na capela do Engenho de Madre de Deus.

image Restos mortais do cônego Batista Campos estão na cidade (Divulgação)

VEJA MAIS

image Cabanagem: em memória à revolta cabana
Bairro começou a partir de homenagem aos 150 anos da revolução da Cabanagem. Mas essa identidade histórica se perdeu com o tempo.

image Gritos, tortura e dor: a história do casarão fantasma de Barcarena
As histórias que os moradores do bairro do Cafezal contam sobre o antigo casarão, onde funcionou uma senzala, são de deixar de cabelo em pé até a mais cética das pessoas.

Há cinco anos professores, jornalistas, sociólogos, fazedores de cultura, se reúnem para falar da cabanagem todo dia 07 de janeiro. Já realizaram roda de conversa, live, exposição com apoio do governo municipal e estadual. “Barcarena é berço da Cabanagem, foi aqui em frente a igreja de São Francisco Xavier que os Cabanos se reuniram para planejar a tomada de Belém” discursa Hélio Santos, professor de História. “Na Vila do Conde Eduardo Angelim com apenas 19 anos convocou a população para integrar o exercito Cabano. Esse ato ocorreu em frente a Igreja de São João Batista que em discurso inflamado, Eduardo seguiu com 300 pessoas, na época chamadas de almas” conta Luiz Antônio Valente Guimaraes, o professor Leno.

A revolução é tão presente e importante no município que tem um bairro onde todas as ruas relembra os personagens do importante momento histórico do Pará. A Vila dos Cabanos tem nomes dos líderes Antônio Vinagre, Germano Aranha, Domingos Onça e de todos os envolvidos na Cabanagem.

 

Pará
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ