Poluição sonora lidera as queixas da população ao CIOP

Trotes diminuíram, mas continuam a dificultar o trabalho dos agentes de segurança

Com informações da Agência Pará

Durante todo o ano de 2019, o Centro Integrado de Operações Policiais (CIOP) recebeu quase 1,3 milhão de chamadas; dessas, 36% foram sobre poluição sonora, um problema que atinge quase todos os bairros da capital paraense. O balanço foi divulgado nesta segunda-feira (13), pela Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup). Além da pouluição sonora, os tipos de ocorrência mais registradas foram: atitude suspeita (9%), o mesmo percentual de lesão corporal (9%), briga (4,8%) e roubo (4%).

O diretor do Ciop, coronel Rayol de Oliveira, destacou a importância de a população se conscientizar para combater a poluição sonora/perturbação do sossego alheio, que tem sido a principal ocorrência feita à central 190 há alguns anos. O barulho incomoda a coletividade. "Nossos dados mostram um espelho da sociedade. A população, em 2019, passou por muitas situações de poluição sonora, o que gerou a nossa maior parte de ocorrências de urgência e emergência em segurança pública no 190. Esse tipo de crime precisa ser combatido e evitado por todos os cidadãos. Por isso, vamos priorizar ações estratégicas para reafirmar as políticas públicas em prol da diminuição desse crime", ressaltou.

Apesar de demostrarem redução ano a ano, as ligações falsas (trotes) totalizaram, no ano passado, 8,38% das ligações atendidas. No comparativo com 2018, houve redução de 33% no número de trotes. A redução pode ser atribuída ao trabalho preventivo realizado pela instituição. "Nós temos trabalhado diretamente com a população em comunidades, escolas e pelas redes sociais para conscientizarmos contra os trotes para o 190, e já tivemos um bom resultado em 2019. Para 2020, vamos intensificar os serviços e campanhas, sendo uma de nossas metas de trabalho o combate a ligações falsas para a central de chamadas do Ciop, pois cada ligação falsa realizada é um tempo precioso que atrapalha o atendimento de urgência e emergência em segurança pública", acrescentou o gestor.

Videomonitoramento - A Segup, por meio do Ciop, também registra ocorrências provenientes do serviço de videomonitoramento, que atualmente trabalha com 211 câmeras, sendo 10 localizadas na ponte da Alça Viária, no Rio Moju, para acompanhar as obras no local, e 201 câmeras distribuídas estrategicamente na RMB. Na capital paraense são distribuídas por 28 bairros, além das instaladas nos distritos de Icoaraci, Mosqueiro e Outeiro, e nos municípios de Ananindeua e Marituba. O serviço de monitoramento por câmeras de segurança em vias públicas (videomonitoramento) funciona desde 2005.

As imagens também podem subsidiar processos e procedimentos investigatórios. Funcionam ainda oito câmeras de videomonitoramento destinadas à Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), para monitoramento e operação da instituição.

Em 2019, o Ciop registrou 220 ocorrências geradas via videomonitoramento na RMB. As principais ocorrências visualizadas pelas câmeras de segurança pública foram acidente de trânsito, atitude suspeita, consumo/tráfico de drogas, furto/roubo e manifestação.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM PARÁ