Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Naufrágio na ilha de Cotijuba: Confira o que se sabe até agora sobre o acidente

Até o momento, a Secretaria de Segurança Pública do Pará (Segup) já contabilizou 22 mortos e 66 sobreviventes

O Liberal

O naufrágio da lancha Dona Lourdes II completou nove dias nesta sexta-feira (16). A embarcação, conduzida por Marcos de Souza Oliveira, estava irregular e saiu de um porto clandestino da comunidade de Camarazinho, em Cachoeira do Arari, na ilha do Marajó, com destino a Belém, e afundou nas proximidades da ilha de Cotijuba, na baía do Marajó, na capital paraense, na última no dia 8, uma quinta-feira. A empresa responsável pela embarcação é a M de Souza Navegações Ares, que pertence à Meire Ferreira de Souza, mãe de Marcos. As investigações sobre o caso estão sendo conduzidas pela Polícia Civil do Pará e Marinha do Brasil.

Até o momento, a Secretaria de Segurança Pública do Pará (Segup) já contabilizou 22 mortos e 66 sobreviventes. Uma pessoa ainda está desaparecida e buscas continuam sendo realizadas para encontrá-la. A secretaria acredita que a pequena Sofia Loren, de 4 anos, seja a última vítima do naufrágio.

Reflutuação da lancha

A lancha Dona Lourdes II permanece submersa na baía do Marajó. De acordo com a Segup, a responsabilidade pela reflutuação da embarcação seria da proprietária que, em depoimento à polícia, alegou não ter condições de arcar com os custos da operação. Posteriormente, foi consultada a Marinha do Brasil sobre a emersão da embarcação, mas a instituição informou que não fará esse procedimento.

Diante desse impasse, o Estado, por meio da Segup, está realizando os trâmites legais de licenças e licitação para realizar o içamento. Após esse processo, novas averiguações serão feitas na lancha em terra.

Resgate e fuga do comandante da embarcação

No dia do naufrágio, moradores da ilha de Cotijuba estavam saindo para a atividade pesca, quando se depararam com as pessoas pedindo socorro. Um desses moradores foi identificado como José Cardoso Lemos, mais conhecido como “Zezinho”. Ele contou que uma das primeiras pessoas que ajudou a se salvar foi o comandante da lancha, Marcos de Souza Oliveira, 34 anos, e sua esposa.

Segundo “Zezinho”, Marcos teria simulado um infarto e pedia para ser levado com urgência à beira do rio. Porém, assim que chegou à faixa de areia, o comandante fugiu e deixou os demais passageiros para trás.

Prisão do comandante Marcos Oliveira

Marcos passou cinco dias na condição de foragido da justiça, uma vez que contra ele havia um mandado de prisão preventiva expedido desde o dia 9 deste mês. A Polícia Civil do Pará conseguiu dar cumprimento ao mandado na tarde da última terça-feira (13). O comandante foi localizado e preso na casa do cunhado dele, em Ananindeua. Marcos deverá responder por homicídio doloso, com agravantes de outros crimes, como omissão de socorro.

Advogado pede a revogação de preventiva

O advogado de defesa de Marcos Oliveira, Dorivaldo Belém, informou que pediu a revogação da prisão preventiva do comandante. O pedido foi protocolado nesta sexta-feira (16).

Mãe e irmã do comandante foram ouvidas

Dorivaldo Belém havia informado que seu cliente iria se apresentar naquele mesmo dia em que foi preso, às 10h, na sede da Delegacia Geral de Polícia Civil, no bairro de Nazaré, em Belém. Mas isso não ocorreu. Somente a mãe e a irmã de Marcos compareceram para prestar esclarecimentos.

O advogado alegou que Marcos estava traumatizado e, por este motivo, não conseguiu ir até a delegacia. Inicialmente, o advogado informou que a embarcação era da mãe de Marcos. Na delegacia, porém, o advogado passou a afirmar que a lancha, na verdade, era da irmã do comandante. Segundo o advogado, as duas mulheres não deverão ser presas.

Arcon confirma ilegalidade da lancha

A lancha Dona Lourdes II estava realizando atividades de forma irregular e partiu de um porto clandestino localizado em Camará, na ilha do Marajó. A informação foi confirmada pela Agência de Regulação e Controle dos Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon-Pa), que já havia notificado a empresa responsável pela embarcação.

Além disso, um documento foi enviado no dia 3 de agosto pela entidade solicitando apoio para coibição do serviço e fiscalização da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental.

De acordo com a nota da Arcon, a embarcação não possuía autorização para realizar transporte intermunicipal aquaviário de passageiros junto ao órgão estadual.

Defesa do comandante propõe indenização de R$ 10 mil

O advogado de defesa de Marcos de Souza Oliveira protocolou, na última quarta-feira (14), um processo de indenização por danos morais para as famílias das vítimas que morreram no naufrágio na iha de Cotijuba. O valor ofertado é de R$ 220 mil, ou seja, R$ 10 mil para cada família. O valor pode aumentar se outros corpos forem localizados, disse Dorivaldo.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ