Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Municípios paraenses participam de capacitação em gestão de resíduos sólidos urbanos 

Curso pretende apresentar aos participantes ferramentas para gestão sustentável do lixo 

Laís Santana

Soluções adequadas para o gerenciamento de resíduos sólidos urbanos (RSU) estão sendo discutidas durante a "Capacitação de Multiplicadores – Ferramentas para Gestão Sustentável de RSU", curso realizado pelo Programa de pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental (PPGESA), da Universidade Federal do Pará (UFPA), em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH e a Universidade Técnica de Braunschweig, na Alemanha. Representantes de 10 municípios paraenses participam do evento que ocorrerá até a sexta-feira (13), no  O evento teve início nesta segunda-feira (9) e seguirá até sexta-feira (13), Parque de Ciência e Tecnologia Guamá.

O curso pretende treinar técnicos das prefeituras a utilizarem as ferramentas do ProteGEEr, programa de cooperação técnica entre Brasil e Alemanha, no apoio à implementação de melhorias na gestão dos RSU em municípios e consórcios do estado do Pará. A capacitação também conta com a presença de representantes da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop) e Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa). 

Na avaliação de Neyson Mendonça, coordenador do PPGESA, solucionar a questão do lixo urbano nos municípios é possível a partir da união entre as poderes públicos. "O maior desafio é fazer com que o município converse com o estado e esse com a federação para que juntos possamos ampliar a gestão dos resíduos sólidos. Para trabalhar em um Estado continental como é o Pará precisamos somar muitos esforços técnicos, como estamos fazendo aqui, e apresentar para quem faz a gestão a forma mais adequada que ele pode selecionar para aplicar em cada município", ressalta. 

Estabelecimento de rotas tecnológicas de resíduos sólidos, encerramento de lixões, licenciamento de atividades e aplicação de taxas e tarifas serão os principais tópicos abordados durante os cinco dias de capacitação. Posteriormente, os municípios receberão assistência técnica da UFPA para pôr em prática os assuntos tratados durante o curso. 

"Toda rota tecnológica de resíduos sólidos que envolve a coleta, o transporte e a destinação ela faz com que a gente tenha a emissão de gases de efeito estufa e esses gases acabam contribuindo para a alteração do clima. O setor de resíduos sólidos se organizou de uma tal forma que pretende usar essas ferramentas para que ocorra a redução quanto a emissão dos gases. Essas ferramentas dizem qual é a rota mais adequada para que a gente tenha a menor emissão e menor alteração do clima. Essa é uma das grandes novidades que se tem porque antes se fazia a opção de rotas, mas não se olhava o impacto que aquela rota poderia causar no ambiente, um deles é o aquecimento global que tanto se fala", pontua Mendonça. 

O coordenador geral de Saneamento Integrado, Resíduos e Drenagem da Secretaria Nacional de Saneamento (SNS) do MDR, Jamaci Avelino do Nascimento Júnior, um dos participantes da capacitação, ressaltou a importância de promover melhores estratégias de promoção de resíduos sólidos. "Essa é uma maneira que o MDR, junto a GIZ, encontrou de conhecer melhor quais são os desafios e as dificuldades que os municípios tem na implementação das diretrizes do novo Marco Legal do Saneamento. A maior importância disso é formar multiplicadores, essa é a principal maneira de vencer os desafios desses municípios", afirma. 

Jamaci Júnior ressalta ainda a possibilidade de investimento do setor privado ao setor de RSU nos municípios a partir da segurança jurídica estabelecida pelo Marco Legal do Saneamento. "Por isso capacitar estes agentes para absorver toda essa nova condição que o Marco Legal traz. E não se esgota aqui, este é apenas o primeiro passa para fazermos essa discussão junto aos municípios." 

O analista ambiental Fernando Monteiro, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Marituba (Semma), definiu o evento como um marco para o manejo de resíduos sólidos no municípios da região Metropolitana de Belém. "Desde 2015 a gente vem sofrendo com a problemática do aterro sanitário sem um planejamento e uma coleta seletiva adequada. Um evento como esse promovido pela universidade é de suma importância porque ele vai nos direcionar para que possamos fazer um planejamento a médio e longo prazo para a gestão de resíduos sólidos do município. Visto que enfrentamos consequências danosas do processo de destinação final, a gente precisa equalizar e fazer uma gestão consciente do resíduos sólidos, principalmente na região Metropolitana", acrescenta. 

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ