Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Jovens de Ananindeua criam adaptação amazônica de famoso jogo de RPG

Grupo Brasil in the Darkness no Pará reúne amantes do RPG para jogar um famoso jogo adaptado ao contexto amazônico

Igor Wilson

Na contramão do mundo virtual, mas na vanguarda das causas sociais, principalmente as amazônicas. É o que um grupo formado por jovens e adultos paraenses vem tentando fazer ao longo deste ano. O Brasil in the Darkness organiza atividades de RPG e outros jogos de mesa para comunidades em toda a região metropolitana de Belém. O objetivo é claro: esclarecer sobre os perigos e armadilhas do mundo virtual e reconectar o público com jogos e atividades que antes da internet faziam a cabeça de muitos, principalmente o clássico RPG

VEJA MAIS

Dia do Gamer: indústria dos games é maior que a de cinema e música; vídeo
Comemorado nesta segunda-feira (29), o dia do gamer é cada vez mais símbolico, tendo em vista o grande número de pessoas que adentraram o universo; Leticia Paiva e Gabriel Dom Sousa são dois paraenses que fizeram dos games a sua profissão

Público gamer prefere jogar pelo celular, aponta pesquisa
Sessões mais longas de jogatinas, como de uma a três horas seguidas nos celulares são de 31,7%, enquanto que jogar por até uma hora é costume de 33,7% do público

Equipe paraense de Free Fire se prepara para disputa da Liga Brasileira da modalidade
Depois de chegar a final do Campeonato Paraense, o time Alfa 34 visa a Série B do nacional de Free Fire

Na tarde do útimo dia 10 Ananindeua recebeu o Conexão Offline, evento organizado pelo grupo de jogadores. O encontro ocorreu no Centro Cultural Rosa Luxemburgo e contou com a participação de praticantes de RPG de diversas regiões. Para os membros da organização do evento, reuniões como essas são oportunidades para estimular pessoas a reduzir o tempo no mundo online. E não é para menos. Essa relação de dependência de tela, que se tornou um problema de saúde mundial, pode desencadear distúrbios psicológicos como ansiedade, depressão, insônia e bipolaridade, de acordo com especialistas. 

Oxum é uma poderosa deusa também na adaptação (Divulgação)

Para se ter uma ideia do problema, a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu pela primeira vez, em junho de 2018, o transtorno por videogames e jogos eletrônicos como doença mental em sua Classificação Internacional de Doenças (CID-11), que não era atualizada desde 1992. O transtorno se refere ao uso de videogames, seja em consoles, computadores ou celulares. Para a OMS, considerado-se um transtorno qualquer jogo que represente uma "deterioração significativa" nas áreas de funcionamento pessoal, familiar, social ou educacional.  

“O mundo virtual passa muitas vezes uma falsa impressão de democratização e de acesso ao conhecimento. Tem muita coisa na internet, muitos jogos virtuais, mas o excesso de informações vindas de fora acabam minando nosso conhecimento sobre nossas raízes, nossa cultura e nossa cognição. Nunca passamos tanto tempo em telas como hoje, sobrecarregados de informação, mas quantos estão realmente aprendendo algo produtivo? Nosso grupo busca manter a paixão pelo RPG adaptando os jogos ao contexto amazônico, com nossa mitologia, nossa cosmovisão do mundo. Isso faz com que possamos aprender e valorizar nossa cultura, ao mesmo tempo que nos mantém afastados dessa sobrecarga”, diz Poraquê Santos, morador de Ananindeua e membro do Brasil in the Darkness. 

JOGOS DE SUCESSO COM PEGADA AMAZÔNICA 

Ilustração de Iara feita pela artista piuaiense Alyne Leonel. (Divulgação)

O coletivo Brasil in the Darkness é formado por jogadores, escritores, artistas e outros intelectuais do Brasil. No grupo estão sete paraenses, entre eles Poraquê. Foi o núcleo paraense que decidiu propor uma mudança nada ortodoxa em um dos jogos de RPG mais marcantes para a geração dos anos 1990, o ‘World of Darkness’. No lugar de vampiros, múmias, lobisomens e fadas, entraram figuras como a Matinta Pereira, o Saci Pererê, Curupira, Mãe D’água e outras lendas que compõem a mitologia paraense. Ao invés de cenários eurocentristas, as matas e rios que formam nossa região. Deu certo. O trabalho dos paraenses está fazendo sucesso em todo o país. 

eSports: jovens paraenses cobiçam carreira como atletas de esportes eletrônicos; vídeo
Modalidade contemporânea é disputada dentro de um ambiente virtual e não requer esforço físico, mas exige inteligência, raciocínio rápido e coordenação motora

Museu de Computação apresenta a exposição virtual História dos Jogos Eletrônicos
Veja mais exposições virtuais e/ou presenciais que estão abertas

“Nós identificamos um problema com com esses jogos que a gente gosta tanto desde garotos. Os jogos de RPG, de uma forma geral, são muito focados na cultura da Europa. Uma cultura que é muito distante da nossa realidade, do nosso imaginário. Então os paraenses que fazem parte do Brasil in the Darkness propuseram a produção de histórias e personagens com características do nosso imaginário amazônico. Na verdade adaptamos todos os detalhes do jogo ao nosso contexto e isso tem atraído muitos interessados, além de promover um diálogo, o que é uma das funções do RPG, construir a história juntos”, diz Poraquê.

Caipora ganhou roupagem moderna para entrar no jogo (Divulgação)

O trabalho para adaptar o jogo mundial ao contexto amazônico foi longo, durou alguns anos. Foi preciso estudar a fundo os detalhes do jogo, desde os inúmeros cenários até os personagens e depois recriá-los com a mesma essência, mas sob o contexto brasileiro. O resultado é algo próximo a uma arte minimalista. Lendas da floresta, orixás e outros guerreiros amazônidas levam os jogadores a um universo exclusivo no RPG mundial. E as questões a serem discutidas nas partidas também mudaram.  

“Achamos que para refletir sobre a realidade brasileira, melhor do que adaptar o jogo mundial ao nosso próprio imaginário. Transformar esse universo sem perder essa essa pegada cosmopolita, mas tentando incluir a afirmação das nossas identidades indígenas, afrodiaspóricas, ribeirinhas. Tem gente que integra o nosso grupo que é ribeirinho, temos indígenas, temos ativistas do movimento negro. Então a gente conseguiu aglutinar essas diferentes perspectivas de vistas e experiências para produzir um conteúdo lúdico, que busca valorizar os aspectos mais marginalizados da cultura amazônica para um público que normalmente não tem acesso a isso”, diz Poraquê. 

Jogadores que participaram da edição Conexão Offline Ananindeua no último sábado. (Divulgação)
Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ