Boto-do-Araguaia é foco de estudo da Ufra; projeto busca fazer um mapeamento da saúde dos animais

A pesquisa é motivada pelo fato de que o boto-do-Araguaia é a mais recente espécie de golfinho de rio registrada na Amazônia

Gabriel Pires
fonte

Os botos, mais especificamente os da espécie boto-do-Araguaia, ou Inia araguaiaensis — encontrados nos rios de  Mocajuba e Cametá — são o foco de um projeto coordenado pela Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), do campus Belém. O estudo, que leva o título de “Parâmetros fisiológicos e análise de risco para patógenos zoonóficos em botos-do-Araguaia (Inia araguaiaensis) sob impactos ambientais no contexto One Health”, traçará um mapeamento da saúde dos animais, desde aspectos fisiológicos, até vocalização e biologia. A pesquisa é motivada pelo fato de que o boto-do-Araguaia é a mais recente espécie de golfinho de rio registrada na Amazônia. A espécie foi identificada por cientistas da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) somente em 2014. O projeto é coordenado pelo professor Frederico Ozanan.

As avaliações vão incluir coleta de sangue, borrifo, pele e fezes, avaliação bioquímica e ultrassom. “Se aparecer um animal doente ainda não sabemos se ele está com anemia, infecção, porque não temos dados sobre isso. Por isso vamos fazer a avaliação e conseguir estabelecer algum padrão. Podemos ter indicadores renais, hepáticos, glicose. Vamos fazer toda uma avaliação, que ainda não temos sobre a espécie”, explica Rogério Silva, aluno de doutorado e participante do projeto.

O professor Frederico Ozanan, coordenador do projeto, ressalta que os estudos de bem estar são fundamentais para a conservação de animais em vida livre. “Esses estudos ajudam a entender sobre aspectos importantes do comportamento da espécie em seu ambiente natural. Isso nos dá subsídios para manejar melhor a espécie, proporcionando resultados mais claros de como deve ser a interação animal-homem. Estudos in situ [na natureza] sempre contribuem bastante para a conservação, pois são sempre muito menos abundantes do que os realizados em cativeiro [ex situ]. Assim, o conhecimento gerado pode fornecer informações inéditas para espécie”, explica.

Aprovação do estudo

A equipe já fez viagens de campo e coletou material para ser analisado. O estudo já foi aprovado pela Comissão de Ética e Uso de Animais (Ceua), da UFRA, e deve ter a duração de três anos. “A cada visita estamos adaptando as técnicas de manejo, para causar menos impacto aos animais e também vamos convidar outros profissionais, que já tem experiência nessa contenção, e que podem nos auxiliar durante a pesquisa”, diz o coordenador.

Os recursos do projeto serão aplicados em compra de equipamentos, reagentes, bolsa, logísticas e viagens de campo. O projeto também tem a parceria dos pesquisadores Angélica Rodrigues e Gabriel Melo-Santos, do Instituto Biologia e Conservação dos Mamíferos Aquáticos da Amazônia (BioMA); do professor. Abelardo Júnior da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e do professor Rinaldo Mota, da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

Espécie do boto já é vulnerável

Apesar do registro científico recente, a espécie já é considerada “vulnerável” e já integra a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. De acordo com os critérios da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), “vulnerável” é quando uma espécie tem um risco elevado de extinção na natureza, exceto se as circunstâncias que ameaçam a sua sobrevivência e reprodução melhorem.

No caso dos botos, a vulnerabilidade é causada principalmente pelas interações negativas com atividades pesqueiras e pela perda ou destruição de habitat. Outro fator é a questão cultural, o que também é uma preocupação dos pesquisadores do projeto. Além das histórias sobre o homem charmoso, vestido de branco, que aparece em noites de lua cheia para seduzir moças ribeirinhas e depois se transforma em boto, os animais também são vítimas de outras situações.

“Ainda é muito comum o comércio de subprodutos desses animais, de órgãos e tecidos para diversas finalidades, desde atrativo sexual, amuleto e tratamentos de algumas doenças. Quando vamos à comunidade e levamos os dados científicos, eles conseguem perceber o valor do animal dentro daquele ambiente, o valor ecológico dele. O boto carrega um valor mágico e religioso muito grande, então junto à parte de estudo hormonal e comportamental, é feito um trabalho de educação ambiental e sensibilização. A população está sempre acompanhando o movimento, então conseguimos fazer essa ligação entre a comunidade e a academia. Boto é um animal topo de cadeia, uma sentinela, saber que eles estão ali é um sinal de como está a saúde daquele rio”, explica Layane Maia, doutoranda que integra o projeto e que vai fazer a análise hormonal dos animais.

Sobre a espécie

A espécie se soma às já conhecidas nos rios amazônicos: Inia geoffrensis e Inia boliviensis, além da Sotalia fluviatilis. O lar do Inia araguaiaensis é a bacia Araguaia-Tocantins, que abrange os estados do Pará, Tocantins, Maranhão, Goiás e Mato Grosso, além do Distrito Federal. No Pará, o pólo reúne 45 municípios, entre eles Mocajuba e Cametá, onde serão desenvolvidas as atividades de campo da pesquisa. No total, serão avaliados 14 botos de Mocajuba e 13 de Cametá. 

“São regiões que têm recebido muitos turistas, especial em Mocajuba, com a região de mercado, e os animais acostumaram-se com a presença humana, então não sabemos ao certo como essas interações estão sendo demonstradas no aspecto fisiológico dos animais. A priori faremos uma análise hormonal, com a avaliação de dois hormônios, o Cortisol e o sulfato de desidroepiandrosterona (DHEAs), para avaliar o nível de stress, juntamente com pesquisadores que vão fazer a análise acústica, além de coleta de sangue, hematologia, bioquímica, ou seja, toda a saúde desse animal será mapeada pelo projeto, o que nos ajudará a sanar várias dúvidas sobre a espécie”, explica Layane.

Palavras-chave

Pará
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ