Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Barreira Sanitária é montada em Santarém, oeste do estado, para fiscalizar a importação de pescado

O objetivo da ação é combater a entrada das três espécies de peixes vindos do Amazonas, onde há casos suspeitos da doença de Haff

Andria Almeida

Para garantir o cumprimento do decreto da Prefeitura de Santarém, no oeste do Pará, que trata sobre a proibição de comercialização das espécies de tambaqui, pirapitinga e pacu, vindos do estado do Amazonas, onde há suspeita de casos da doença de Haff, uma barreira sanitária entrou em funcionamento, nesta semana, no município. A ação é por tempo indeterminado.

Para realizar a fiscalização a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) montou equipes especializadas para atuação em conjunto com as vigilâncias sanitárias municipais, polícia militar estadual e outras instituições de fiscalização.  A Agência realiza a fiscalização preventiva nos portos localizados nas proximidades das feiras de comercialização de pescado.

Durante os trabalhos estão sendo feitas intercorrências e a conscientização junto aos feirantes, bem como nos portos onde são desembarcados pescados. Na segunda-feira (14), em um dos portos foi constatado o desembarque de carga dos peixe aracu vindo do Amazonas, mas na carga foram encontrados alguns peixes da espécie pacu, espécies proibida segundo o Decreto Municipal. A carga foi recolhida e descartada.

“O intuito da fiscalização foi reforçar a proibição do trânsito dos pescados especificados no decreto com origem no estado do Amazonas, além de conscientização e orientações da população e dos feirantes acerca da doença da “urina preta”, enfatizou a fiscal da estadual agropecuária, Cristina Simões, que executa a ação de fiscalização ao lado do agente fiscal agropecuário, Jurandir Chagas.

A Agência de Defesa realiza fiscalização periódica nos frigoríficos de pescado registrados no Serviço de Inspeção Estadual (SIE), nos estabelecimentos de pescados, com origem no estado do Amazonas.

De acordo com a Adepará, as amostras dos peixes fiscalizados são encaminhadas para teste para detecção desta doença, quando são avaliadas as suas condições organolépticas, que garantem a qualidade higiênico sanitária ao produto.

A agencia sempre recomenda que o consumidor exija do fornecedor de pescado um produto com certificado sanitário do serviço de inspeção oficial, que garante a qualidade do alimento produzido. Qualquer cidadão que tenha conhecimento da suspeita ou confirmação de doenças dos animais ou mortalidade deve informar à Agência.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ