Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Aumentou a parcela de brasileiros que não teve dinheiro para se alimentar nos últimos 12 meses

É a primeira vez que a insegurança alimentar brasileira supera a média simples mundial, aponta pesquisa da FGV Social

Dilson Pimentel

A parcela de brasileiros que não teve dinheiro para alimentar a si ou a sua família em algum momento nos últimos 12 meses subiu de 30% em 2019 para 36% em 2021, atingindo novo recorde da série iniciada em 2006. É a primeira vez desde então que a insegurança alimentar brasileira supera a média simples mundial. Os dados são da FGV Social, que lançou a pesquisa "Insegurança Alimentar no Brasil", com base nos dados disponíveis sobre insegurança alimentar a partir do processamento do Gallup World Poll.

Comparando a média simples dos mesmos 120 países com o Brasil, antes e durante a pandemia, a insegurança alimentar subiu 4,48 pontos percentuais mais aqui que no conjunto dos países - aumento percentual quatro vezes maior no Brasil-, sugerindo ineficácia relativa de ações nacionais.

O aumento da insegurança alimentar entre os 20% mais pobres no Brasil durante a pandemia foi de 22 pontos percentuais, saindo de 53% em 2019 chegando a 75% em 2021, nível próximo do país com o maior insegurança alimentar da amostra Zimbawe (80%). Já os 20% mais ricos experimentaram queda de insegurança alimentar de três pontos percentuais (indo de 10% para 7%, pouco acima da Suécia (5%) o país com menos insegurança alimentar).

Na comparação com média global de 122 países em 2021, os 20% brasileiros mais pobres têm 27 pontos percentuais a mais de insegurança alimentar, enquanto os 20% mais ricos apresentam 14 pontos percentuais a menos.

LEIA TAMBÉM:

Impactos sociais da pandemia provocam insegurança alimentar
Especialistas em nutrição apontam que a segurança alimentar, direito previsto em lei, foi ameaçado mediante a expansão da inflação no custo de alimentos, alta do desemprego e outros fatores

Fome: Pará tem 61,2% dos domicílios em condição de insegurança alimentar
Conselho Regional de Nutricionistas lança campanha de combate à fome alusiva ao Dia Mundial da Saúde e Nutrição

Comida é insuficiente para 24% dos brasileiros; revela Datafolha
A chamada insegurança alimentar é mais evidente entre os mais pobres

Ainda segundo a pesquisa, altos níveis e aumentos de desigualdade de insegurança alimentar brasileira por renda são também encontrados por níveis de escolaridade. Observa-se, também, a crescente assimetria de insegurança alimentar entre homens e mulheres no Brasil.

De 2019 a 2021, houve aumento de 14 pontos percentuais entre as mulheres (sobe de 33% para 47%) e queda de um ponto percentual para homens (cai de 27% para 26%). Como resultado, a diferença entre gêneros da insegurança alimentar em 2021 é seis vezes maior no Brasil do que na média global.

As mulheres, principalmente aquelas entre 30 e 49 anos, onde o aumento foi maior, tendem a estar mais próximas das crianças e gerando consequências para o futuro do país, uma vez que a subnutrição infantil deixa marcas permanentes físicas e mentais para toda vida. A pesquisa evidencia um paralelo entre medidas de insegurança alimentar e com indicadores de pobreza baseada em renda no Brasil.

Pará tem 61,2% dos domicílios em condição de insegurança alimentar

Matéria publicada em Oliberal.com, em março deste ano, mostrou que um total de 61,2% dos domicílios no Pará estão em Insegurança Alimentar, sendo 34,1% em Insegurança Alimentar Leve; 16,1% em Insegurança Alimentar Moderada e 11% em Insegurança Alimentar Grave. Os números refletem a gravidade da situação não apenas no Brasil, mas no mundo todo, como alertou, no dia 3 de março, a presidente do Conselho Regional de Nutricionistas (CRN-7), Yonah Figueira.

Por causa desse cenário, o Sistema Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas (CFN/CRNs) havia iniciado a campanha “Você Tem Fome de Quê?”, em alusão ao Dia Mundial da Saúde e Nutrição, no dia 31 de março. Segurança alimentar é a situação em que a família/domicílio tem acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais.

A Insegurança Alimentar Leve é quando há preocupação ou incerteza quanto ao acesso aos alimentos no futuro ou a qualidade dos alimentos é comprometida para manter a quantidade de alimentos necessária para a família. A Insegurança Alimentar Moderada se dá quando há redução quantitativa de alimentos entre os adultos e/ou ruptura nos padrões de alimentação resultante da falta de alimentos entre os adultos.

Já a Insegurança Alimentar Grave é a redução quantitativa de alimentos também entre as crianças, ou seja, ruptura nos padrões de alimentação resultante da falta de alimentos entre todos os moradores, incluindo as crianças. Nessa situação, a fome passa a ser uma experiência vivida no domicílio.

A operadora de caixa Andreza Ribeiro de Jesus contou que, antes, comprava carne com mais frequência. “Hoje em dia é uma vez e olhe lá”, afirmou. (Igor Mota/O Liberal)

Pará tem uma das mais caras cestas básicas do Brasil, diz presidente do Conselho Regional de Nutricionistas

A presidente do Conselho Regional de Nutricionistas (CRN-7), Yonah Figueira, chamou a atenção para o fato de que o Pará tem uma das mais caras cestas básicas do Brasil e com pandemia muitas pessoas ficaram sem renda, sem emprego, e a situação da fome se agravou. “As pessoas acabam substituindo o alimento natural pelo industrializado que é um pouco mais caro, e essa situação faz com que as pessoas tenham um limite de acesso ao alimento”, observa.  A exportação de alimentos locais acaba também encarecendo o que fica na região.

Em plena Amazônia, com a fartura de tipos de alimentos, a fome é mais grave na zona rural, no interior - daí a necessidade de investimentos, de políticas públicas “na reeducação da população em investir no que é regional”, de se organizar hortas de subsistência, criar animais nos quintais como pontua Yonah.

A nutricionista destaca que se deve investir na educação para que os cidadãos possam obter empregos com salários e, assim, possam ter acesso ao alimento, e não se restringir a medidas emergenciais. “No mundo, o Brasil é um dos países que mais desperdiçam alimentos, na faixa de 20%. Então, uma sugestão é o aproveitamento integral dos alimentos, o caule, a folha, a raiz, a semente; toda a composição do alimento tem um valor nutricional”, afirmou.

Moradores de Belém estão comprando menos carne

“Deixei de comprar um bocado de coisa”, disse, em Belém, Marta Mariana, 53 anos, que vende café e tapioca. Ela mora no bairro do Marco, mas, na manhã desta quinta-feira (26), estava na feira da Pedreira. “Antes, praticamente, eu comprava carne todo dia. Agora, é uma vez por semana, e olhe lá. Sinto falta de não poder comprar mais vezes”, afirmou. Com isso, ela passou a consumir mais frango e calabresa.

Marta disse que tudo ficou mais caro. Para completar, ela também está desempregada. “Eu compro o que posso”, afirmou, acrescentando que tem comprado bem menos verduras e frutas. “Fruta é de vez em quando, e quando dá, eu compro. Não é todo dia”, disse. Para Marta, a compra dos sonhos, hoje em dia, seria encher a prateleira da casa dela arroz, feijão, carne e macarrão. “É o desejo que todo ser humano tem”, disse. E, na hora de ser fotografada perto das frutas, ela comentou. “Essa é a foto do desejo. Desejo de comprar uva e maça”, brincou.

A operadora de caixa Andreza Ribeiro de Jesus, 42 anos, também contou que, antes, comprava carne com mais frequência. Antes, levava esse produto para casa três vezes por semana. “Hoje em dia é uma vez e olhe lá”, afirmou. “A gente está optando por peixes, inclusive os mais baratos, como gó, e até mesmo bucho, mocotó”, afirmou.

Ela também costumava comprar regularmente banana. “Mas tá um absurdo. Tá R$ 10. Aqui na (feira) Pedreira a gente ainda consegue encontrar por R$ 7, R$ 6”, disse ela, que também mora no bairro do Marco. Se pudesse, Andreza disse que compraria bastante carne, legumes e frutas, e feijão, “que está bastante caro, e dourada, que também está caríssima”. Segundo ela, uma série de fatores contribui para a alta dos preços, citando a crise financeira, a pandemia e a guerra na Ucrânia. “Os preços, que já estavam altos, foram lá pra cima. Pioraram”, disse.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ