Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Mulher mais velha da Europa que sobreviveu à covid-19 e gripe espanhola completa 118 anos

Irmã Andrée chega aos 118 anos sem problemas de saúde, apenas rigidez muscular e articular ligada à imobilidade

O Liberal

Os especialistas constataram que os nascidos antes da epidemia de gripe espanhola de 1918 resistiram melhor à covid-19 que os idosos nascidos depois. Lucile Randon, mais conhecida como a irmã Andrée, é uma prova disso. Mulher mais velha da Europa e segunda mais velha do mundo, ela sobreviveu à covid-19 sem grandes problemas, tendo como sintoma apenas um cansaço. E quando alguém fala sobre a doença que tem preocupado o planeta, ela responde “tive gripe espanhola", conta a médica Geneviève Haggai-Driguez.

Nesta sexta-feira, Lucile ganhou destaque nos jornais e portais de notícias do mundo por chegar aos 118 anos. Irmã Andrée nasceu no dia 11 de fevereiro de 1904 em Alès, no sul da França e, atualmente, a única pessoa com registro verificado civil verificado mais velha do que ela é a japonesa Kane Tanaka, de 119 anos.

VEJA MAIS

Mulher japonesa de 117 anos marca novo recorde de pessoa mais idosa

Com bolo temático 'o terror do INSS', aposentado completa 121 anos em Goiás
Apesar da idade, Andrelino Vieira da Silva esbanja saúde, está lúcido, saudável e adora forró, segundo a neta

"Às 7h me levantam e me sentam à mesa", conta Lucile, sobre a sua rotina diária. Em seguida, ela é levada à capela onde se tornou freira depois dos 40 anos, e ouve a missa todas as manhãs. Anda vestida com seu hábito de freira e véu azul, em cadeira de rodas, com a cabeça baixa e os olhos, que já não enxergam, fechados.

Idosa quer 'morrer logo'

A idosa releva que deseja “morrer logo”, e reclamara o quanto "é horrível não poder fazer nada sozinha".

Lucile trabalhou até o final da década de 1970 e, aos 100 anos, ainda se ocupava de residentes mais jovens do que ela.

Irmã Andrée não tem problemas de saúde, apenas rigidez muscular e articular ligada à sua imobilidade. Ela toma poucos medicamentos por dia, o que, segundo a médica Geneviève Haggai-Driguez, sem dúvida é "um de seus segredos de longevidade".

De acordo com o escritório de estatísticas Insee, cerca de 30 mil centenários vivem na França e 40 superam os 110 anos. No mundo todo, havia meio milhão de centenários em 2015, segundo a ONU, que projeta 25 milhões até o fim deste século.

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO