Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

'Gata da cocaína' quer contar a sua história em documentário após cumprir pena

Isabelle Lagacé e Melina Roberge ficaram conhecidas como 'gatas da cocaína' após serem presas em 2016, na Austrália, com mais de R$100 milhões da droga

Gabriel Mansur

Presa em 2016 na Austrália por tentar entrar no país com mais de 100 milhões de reais em cocaína, a canadense Isabelle Lagacé promete contar sua história em um documentário após terminar o cumprimento de sua pena. Isabelle é ex-atriz pornô e foi presa junto de outra mulher. As informações são do portal Splash.

VEJA MAIS

‘Gatinha da nota fake’ do Pará pede pix a seguidores para pagar contas após sair da prisão
Joene Coutinho, de 25 anos, presa no dia 19 deste mês, acusada de tentativa de estelionato, diz enfrentar momento delicado financeiramente

'Gatinha da Cracolândia' diz que nunca vendeu drogas: 'só ia comprar'
A jovem foi presa em julho deste ano por suspeita de tráfico

Força-tarefa apreende 202 mil toneladas de minério, 334 kg de drogas e 600 pílulas de ecstasy no Pará
No Pará, a Operação Ágata Norte foi realizada no arquipélago do Marajó e Região Metropolitana de Belém e Nordeste do Estado.

Isabelle e Melina Roberge ficaram conhecidas como as “gatas da cocaína”. Segundo Lagacé, o seu “sugar daddy” (homem que bancava seus gastos) lhe mandou a bordo do MS Sea Princess em junho de 2016 para que a jovem participasse do esquema de tráfico internacional. "Uma das participantes cancelou de última hora, e eles precisavam de alguém para substituí-la. Ele disse que eu não precisaria fazer nada, só aproveitar a viagem" explicou ela para o jornal australiano News.

A jovem contou em seu depoimento que ela e sua parceira receberiam 57 mil libras (R$ 350 mil) pela viagem, além de uma passagem na primeira classe do navio, que custava 22 mil dólares australianos (R$ 77,6 mil). O embarque foi feito em Londres, na Inglaterra, e o navio seguiu pelas Américas, Taiti e Austrália, onde foram presas.

Isabelle Lagacé e Melina Roberge em viagem (Reprodução / Isabelle Lagacé)

Isabelle e Melina foram instruídas a postar fotos em suas redes sociais durante a viagem. Contam também que encontraram dois jovens italianos no navio, mas que desconfiaram da dupla porque todos os outros passageiros eram idosos. Com o passar do tempo, descobriram que os dois também faziam parte do esquema.

Melina disse às autoridades que acredita que foi no Peru que os italianos receberam a droga, pois a dupla saiu e entrou na embarcação diversas vezes. Em Sidney, na Austrália, os policiais encontraram quase 100kg de cocaína na bagagem das duas, além de 60kg na bagagem de um canadense chamado André Jorge Tamine, de 62 anos.

Os três foram declarados culpados: Meline recebeu uma sentença de 4 anos e 9 meses, Lagacé de 7 anos e meio e o idoso canadense foi condenado a 8 anos e 5 meses. 

(Estagiário Gabriel Mansur, sob supervisão do editor executivo de OLiberal.com, Carlos Fellip)

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO