Ex-funcionário é demitido por não socializar no trabalho e ganha processo contra a empresa

O homem argumentou que as atividades envolviam "happy hours", simulação de atos sexuais, apelidos grosseiros e a exigência que ele dividisse a cama com outro colega de trabalho

O Liberal
fonte

O ex-funcionário de uma empresa em Paris, identificado apenas como Sr. T, foi demitido em 2015 por não participar das atividades de socialização, incluindo beber com os colegas após o trabalho. Sete anos após processar os ex-patrões, o homem obteve decisão favorável junto à justiça.

VEJA MAIS

image Último vídeo de Marília Mendonça é usado por ex-funcionário em processo contra empresa de táxi aéreo
O trabalhador ficou com uma cicatriz após acidente de trabalho e alega que prestava serviços sem equipamentos de proteção. PEC Táxi Aéreo disse que fornecia e fiscalizava o uso de EPI.

image Ex-assistente de Ivete Sangalo pede indenização milionária em processo trabalhista; entenda o caso
Ex-rodie da cantora alega que trabalhou com a artista por anos sem ter a carteira de trabalho assinada, além de não ter recebido benefícios

image Justiça do Trabalho reverte decisão após dancinha no TikTok; entenda
Vendedora de joalheria teve indenização contra empregadores anulada após vídeo considerado jocoso

Sr. T trabalhava na empresa Cubik Partners, especializada em consultoria de gestão. O homem argumentou que as atividades envolviam, ainda, "práticas humilhantes e intrusivas", além de "promiscuidade". Entre as atividades sugeridas nos "happy hours", havia a simulação de atos sexuais, apelidos grosseiros e a exigência que ele dividisse a cama com outro funcionário durante o turno de trabalho.

Em sua defesa, a empresa afirmou que usava uma abordagem "divertida" quando se tratava de atividades de construção de equipes, que incluem encorajar seus funcionários a se reunirem em "pubs" após o expediente. A Cubik Partners argumentou que as atitudes do funcionário francês eram "desmotivadoras".

Segundo o site francês “Les Nouvelles”, no julgamento ocorrido em novembro, o tribunal determinou que o homem tinha direito à "liberdade de expressão" e que a empresa não podia demitir o funcionário sem justa causa, simplesmente porque ele se recusava a sair com os colegas de trabalho. Na decisão, o tribunal ordenou que a empresa pagasse ao ex-funcionário o valor de 3 mil euros (cerca de R$ 16,5 mil na cotação atual)

Mundo
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO