Tensão: reunião pode selar saída de jogadores do Remo

Declarações de Márcio Fernandes devem ter consequência

Redação Integrada

O empate sem gols contra o Tapajós e as declarações pós-jogo do treinador tumultuaram o ambiente do Clube do Remo. 

Está prevista uma reunião, após o treinamento deste sábado (09), no estádio Baenão, envolvendo o treinador Márcio Fernandes, o preparador físico Luis André e o presidente do clube, Fábio Bentes, provavelmente, acompanhados de seus diretores de futebol. Em pauta, estará o déficit físico dos atletas. Situação que Márcio Fernandes deixou claro após o jogo em Santarém, válido pela sétima rodada do Campeonato Paraense. Não está descartada a saída/demissão de atletas. A ideia inicial é aliviar a folha salarial, liberando jogadores sem rendimento técnico e físico, para novas contratações. O Remo tenta refazer um trabalho embora com a competição em andamento.

Após o jogo contra o Tapajós, Márcio Fernandes citou nominalmente dois atletas que estavam com déficit físico, casos de Vacaria e Echeverría. No entanto, também explicitou que outros três já não tinham condições de prosseguir na partida e foram substituídos, casos de Tiago Félix, Alex Sandro e Emerson Carioca. "O que vi no jogo me deixou preocupado. O time não tinha reação. Seis jogadores pediram para sair. Isso não é normal. Mais cinco minutos não iríamos aguentar", disse Márcio Fernandes. 

Questionado sobre evolução, o treinador prometeu que intensificará o trabalho, "mas isso (a melhora) não é da noite para o dia. A degradação é grande", detonou. "Esse não é o Remo que quero ver. Estamos trocando pneu do carro com o carro andando. Com 17 minutos do segundo tempo, já tinha feito três substituições e com mais quatro para fazer. Isso não pode acontecer. Os outros jogadores correm para suprir ausência de seis jogadores que estavam cansados".
 

Remo