FPF marca final em Tucuruí e presidente do Independente rebate: "Podem dar o título ao Remo"

Interdição da PA-263, a queda de parte da ponte sobre o Rio Moju e o caos em portos são os motivos apontados pelo Galo para manter os jogos da decisão em Belém

Redação Integrada

"Se sairmos de Belém agora, não sabemos que dia vamos conseguir chegar a Tucuruí". A declaração do presidente do Independente, Deley Santos, em entrevista exclusiva ao OLiberal.com na manhã desta terça-feira (9) mostra uma parte da polêmica acerca do local do primeiro jogo da final do campeonato paraense, previsto para este domingo (14), contra o Remo.

LEIA MAIS

A FPF (Federação Paraense de Futebol) está com a tabela pronta, colocando a partida para a "Cidade da Energia", mas o mandatário do Galo garante que protocolará o pedido de alteração do local para o Mangueirão e, inclusive, ameaçar não disputar os jogos, caso não tenha a soliticitação atendida. Uma reunião entre FPF, clubes e Funtelpa está prevista para as 14h, na sede da federação.

CAOS

Além da fragilidade do gramado - especialmente do sistema de drenagem -, Deley Santos apontou o caos formado no sudeste paraense provocado pela queda de parte da ponte sobre o Rio Moju e, nesta semana, também por conta da interdição da PA-263, que liga os municípios de Goianésia e Tucuruí.

LEIA MAIS

"O acesso a Tucuruí, pela estrada, vai ficar interditado por dois dias. Se saíssemos daqui agora, esperaríamos numa fila gigantesca de caminhoneiros para embarcar em alguma balsa e depois teríamos de esperar a estrada ser liberada novamente para podermos seguir a Tucuruí. Será que as pessoas da FPF não estão sabendo disso? É um absurdo!", disparou.

FPF

A reportagem entrou em contato com o diretor de competições da federação, Paulo Romano, que foi categórico: "Vamos soltar a tabela hoje, com o primeiro jogo da final em Tucuruí". Perguntado se o "martelo estava batido", Romano respondeu: "Sim! É isso".

AMEAÇA

O presidente do Independente, no entanto, rebateu: "Se for assim, é melhor dar o título logo para o Remo. Não vamos jogar. Para vir a Belém jogar contra o Paysandu, saímos de Tucuruí às 20h de sábado e chegamos às 14h de domingo, sendo que ainda não tinha essa questão da interdição da estrada e a fila ainda não estava tão grande como está hoje. Acho que as pessoas não estão entendendo a gravidade do problema que está na nossa região", falou.

CONTATO COM O REMO

Diante do panorama, Deley contou que já conversou também com a direção do Remo, adversário na finalíssima do estadual. "Falei com o Fábio Bentes (presidente do Remo) e eles também querem os dois jogos em Belém. Aliás, acertamos até a logística de venda de ingressos. O Remo vai disponibilizar o Baenão para vender os bilhetes. Outra parte deixaremos na FPF. Agora, me diz como a FPF quer marcar esse jogo para Tucuruí se até o Remo também entendeu o problema que é ir a Tucuruí agora?", questionou.

DINHEIRO

O mandatário do Galo irá à FPF no início da tarde - uma vez que a entidade máxima do futebol paraense só tem expediente a partir das 13h - para protocolar o pedido de alteração do local do jogo. Além de fugir do problema de locomoção, a busca pela realização da final na capital do Estado também tem uma consequência impactante nos cofres do clube.

"Estamos prestes a vencer mais um mês de salários atrasados e essa final em Belém não deixa, sim, de ser uma oportunidade de ter uma renda maior e conseguir quitar todas as despesas", falou.

AGENDA

O Independente segue em Belém, em um hotel no bairro do Marco, e planeja realizar um treino regenerativo nesta tarde, às 15h30, na Tuna.

Futebol