Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Urina preta: outro município do Pará recomenda que a população não coma três espécies de peixe

Prefeitura também pede cautela no consumo de camarão. Medida considera o elevado risco de ocorrência no município da Doença de Raff

O Liberal

A Prefeitura Municipal de Óbidos, no Oeste do Pará, emitiu um alerta geral à população para que evite a ingestão de pescado das espécies pirapitinga, tambaqui e pacu. Segundo o documento, assinado pela diretora executiva de Vigilância Sanitária, Herbene Belicha e pelo enfermeiro Darlan Pinto, que é coordenador da Vigilância Sanitária, a medida considera o elevado risco de ocorrência no município da Doença de Raff, conhecida como Doença da Urina Preta, que não tem tratamento específico.

VEJA MAIS

Santarém investiga primeiro óbito por suspeita da doença da 'urina preta' Genivaldo Cardoso de Azevedo, de 55 anos, foi atendido no HMS, mas não resistiu e morreu no início da manhã de hoje

Sespa investiga morte de paciente com suspeita de doença da Urina Preta Uma equipe da vigilância epidemiológica foi acionada para colher informações e acompanhar a análise do material coletado a fim de confirmar ou não a suspeita

Também foi recomendado que a população tenha cautela no consumo de camarão, considerando que estudos da Fiocruz apontam que a toxina também está relacionada a crustáceos.

“Orientamos a população que caso apresentem sintomas como fraqueza, dor muscular, dor de cabeça, dormência, urina escura, iniciados de 2 a 12 horas após o consumo de peixe, que busque imediatamente atendimento médico”, conclui o documento.

Na última terça-feira (7), a Prefeitura Municipal de Juruti, no Pará, proibiu por tempo indeterminado o consumo e comercialização das espécies de peixe pirapitinga, pacu e tambaqui, capturadas em rios e lagos do Amazonas, inclusive as criadas em cativeiro.

Confira as espécies de peixes que podem causar a doença da ‘urina preta’ Estudos apontam espécies de peixes que podem causar a síndrome de Haff que matou uma veterinária em Recife

Doença da urina preta: prefeitura do Pará proíbe por tempo indeterminado venda de pescado Medida abrange três espécies peixes capturados em rios e lagos do Amazonas

Segundo comunicado da Secretaria Municipal de Saúde, que tomou a decisão por meio das coordenações de Vigilância em Saúde e Sanitária, a medida foi adotada com o objetivo de prevenir o contágio da Doença de Haff, conhecida como “Doença da Urina Preta”. Os peixes de outras espécies e aqueles oriundos da piscicultura de Juruti, continuam liberados.

A medida começou a valer nesta terça-feira (7), mesmo dia em que foi anunciada a morte de um homem, em Santarém, por suspeita da ‘doença da urina preta’. Genivaldo Cardoso de Azevedo, de 55 anos, deu entrada no Hospital Municipal de Santarém apresentando sintomas compatíveis com o da doença, que é causada por uma toxina encontrada em determinados peixes, provocando lesões nos músculos e nos rins.

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA