Supermercados projetam faturamento até 6% maior em dezembro

Vendas de alimentos e outros produtos devem influenciar crescimento de supermercados paraenses

Fabrício Queiroz
fonte

O setor supermercadista está otimista com o aumento das vendas no último mês do ano e espera um crescimento de 5% a 6% em comparação com o ano passado. A expectativa foi adiantada para a coluna Repórter 70, do jornal O Liberal, e confirmada pelo presidente da Associação Paraense de Supermercados (Aspas), Jorge Portugal, nesta sexta-feira, 2. Segundo o dirigente, o resultado se deve a fatores econômicos e ao perfil mais competitivo do segmento no atual mercado.

“A nossa expectativa é de crescimento em relação ao ano passado, considerando que em 2021 nós ainda tinha aquele resquício de pandemia e ainda havia certas restrições em termos de compra. Nossa projeção é baseada no bom desempenho da economia e na redução do número de desempregados. Com isso, as pessoas puderam voltar a consumir. Além disso, estamos acreditando que o pagamento da segunda parcela do 13º salário vai ajudar a alavancar ainda mais as vendas”, pontua Jorge Portugal.

LEIA MAIS:

image Comércio já registra venda de itens para o Natal
Mercadorias natalinas começam a ganhar espaço nas prateleiras e vitrines de Belém

image Setor de motocicletas está otimista para as vendas de final de ano
Em algumas lojas de Belém, há até lista de espera por alguns modelos

image Arroz e feijão pesam no bolso do consumidor paraense
Itens básicos da alimentação, produtos somam altas, que já superam a inflação acumulada no ano

A representante comercial Joelma Silveira, 53, é uma das clientes que deve ajudar a movimentar os caixas dos supermercados nesse período. Para ela, os preços praticados atualmente estão mais elevados, o que reduziu a frequência e o volume das compras. Porém, os eventos da época estimulam o consumo além do orçamento. “A gente acaba gastando um pouquinho mais porque sempre tem uma comemoração ou uma reunião de família, então a gente acaba fazendo um prato especial ou uma sobremesa e isso faz aparecer um gasto extra, principalmente mais próximo das festas do Natal e Ano Novo”, afirma.

Nesse contexto, o setor supermercadista tem adotado estratégias para atrair mais consumidores, seja para a aquisição de gêneros alimentícios ou outros produtos, que foram incluídos no portfólio dos estabelecimentos, onde se observa a quase onipresença de departamentos de magazine, com confecções, calçados e outros artigos.

image As seções de magazines presentes nos supermercados também contribuem para o aumento das vendas (Thiago Gomes / O Liberal)

“Em dezembro, as nossas vendas são puxadas em primeiro lugar pelas bebidas e pelas comidas típicas de Natal e frutas. Mas é bom lembrar que hoje em dia os supermercados não se restringem a venda de alimentos. Os magazines oferecem presentes, brinquedos, perfumaria e outros produtos. Tudo isso é contabilizado no resultado final do nosso faturamento”, esclarece Portugal.

Para o empresário, a tendência é que o ritmo de vendas continue aquecido no próximo ano. Um dos fatores que deve contribuir para isso é o controle da inflação a longo prazo, já que a variação frequente de preços não é favorável nem para as empresas nem para os consumidores.

“A inflação não é benéfica para ninguém. No nosso caso específico, ela diminui o poder aquisitivo, então a gente observa que quem antes comprava 2 kgs, passa a comprar 1,5 kg; quem levava três pacotes de um produto, passa a levar dois; e assim sucessivamente. Para nós, quanto mais controlada a inflação, é melhor”, ressalta Jorge Portugal, que diz ainda que o setor deve ser favorecido caso o Auxílio Brasil ou Bolsa Família seja mantido com valor de R$ 600, como se articula entre parlamentares e representantes do governo de transição.

Economia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA