#if(!$m.request.preview.inPreviewMode)
CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X
#end

Quase meio milhão de micro empresas no Pará podem se beneficiar com ‘Acredita’

Programa federal amplia acesso a crédito e facilita renegociação de dívidas

Valéria Nascimento
fonte

O Pará tem quase meio milhão de micros empresas que podem se beneficiar com o Programa ‘Acredita’, lançado pelo governo federal, nesta terça-feira (23). A iniciativa disponibiliza condições para ampliação do acesso a crédito, renegociação de dívidas e garantia de mais apoio a esses três setores da economia. 

Ao todo, o Pará tem 495 mil Microempreendedores Individuais (MEIs), microempresas e empresas de pequeno porte, públicos prioritários do programa.

O foco do 'Acredita' é a oferta de crédito com taxas de juros diferenciadas para quem mais precisa: os pequenos empreendedores. Em todo o país, são mais de 15,6 milhões de MEIs, dos quais 332 mil estão registrados no Pará. Desse universo paraense, 189,4 mil são comandados por homens (57%) e 142,6 mil (43%) por mulheres.

VEJA MAIS

image Toma iniciativa e cria oportunidades, saiba quem está intraempreendendo em Belém
Intraempreendedorismo: Prática é realidade na cidade, mas empresas precisam criar ambiente favorável

image Governo lança novo programa de renegociação de dívidas para pequenos negócios
“Desenrola” será lançado nesta segunda-feira (22) pelo Governo Federal

image Desenrola Brasil: novo prazo para renegociar dívidas vai até 20 de maio
Inicialmente, negociações acabariam em dezembro, mas tinham sido prorrogadas até o dia 31 deste mês

O Pará também demonstra potencial no setor das microempresas, com 125,8 mil unidades desse tipo de negócio entre os mais de 6,69 milhões registrados no Brasil. Por último, o setor de empresas de pequeno porte no Pará tem hoje 37,6 mil registros entre os mais de 1,21 milhão em todo o país que poderão ampliar o acesso a crédito por meio do Acredita.

"Nós estamos criando as condições para que, independentemente da quantidade, da origem social, do tamanho dos negócios, as pessoas tenham o direito de ter acesso ao sistema financeiro e pegar um crédito", afirmou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no lançamento do programa.

Conforme o governo federal, o Acredita está baseado em quatro eixos principais. O primeiro (Acredita no Primeiro Passo) é um programa de microcrédito para inscritos no CadÚnico. O segundo (Acredita no seu negócio) é voltado às empresas, por meio do programa Desenrola Pequenos Negócios e Procred 360. Há ainda uma frente que visa a criação do mercado secundário para crédito imobiliário.

Por último, há a aposta no Eco Invest Brasil - Proteção Cambial para Investimentos Verdes (PTE), que tem como objetivo incentivar investimentos estrangeiros em projetos sustentáveis no Brasil. “Esse programa que foi lançado hoje é efetivamente o início de um futuro promissor que esse país está anunciando ao seu povo”, destacou o presidente Lula.

Veja o quadro do segmento no Brasil, Região Norte e Pará:

Em todo Brasil, são 15,63 milhões de Microempreendedores Individuais (MEIs)

                                  6,69 milhões de microempresas

                                  1, 21 milhão de empresas de pequeno porte

Na Região Norte, são 928.605 Microempreendedores Individuais (MEIs)

                                     398.337 microempresas

                                      93.644 empresas de pequeno porte

No Pará, são 495 mil Microempreendedores Individuais (MEIs)

                       125,8 mil microempresas

                         37,6 mil empresas de pequeno porte.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Economia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA