Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Pará aguarda reunião do Comsefaz para decidir sobre ICMS dos combustíveis

Reunião de conciliação com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes será nesta terça-feira (28) também

O Liberal

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará (Sefa) divulgou uma nota oficial se posicionando após sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, no dia 24, o projeto aprovado pelo Congresso Nacional que estabelece um teto de 17 a 18% - dependendo da localidade – no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre itens como diesel, gasolina, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo. A estimativa, segundo Estados e municípios, é que as perdas sejam de até R$ 83 bilhões em arrecadação. Nesta segunda-feira (27), São Paulo e Goiás se anteciparam e anunciaram redução do ICMS.

A Sefa informou na nota que aguarda a reunião do Comsefaz, prevista para a tarde desta terça-feira, para tomar uma decisão. A nota diz que “os Estados estão conversando e vão tomar uma decisão em conjunto sobre a forma de implementação das novas alíquotas. Os Estados aguardam, também, a reunião de conciliação com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, que será realizada amanhã de manhã”. 

VEJA MAIS

Lei que estabelece teto do ICMS causará prejuízo ao Pará
Especialista diz que não necessariamente o preço dos combustíveis ficará mais baixo com a medida, que teve sanção do presidente da República nesta semana

Bolsonaro sanciona teto de ICMS sobre combustíveis e energia, mas veta compensação aos estados
Esses itens passam a ser classificados como essenciais e indispensáveis, o que impede cobrança superior à alíquota geral de ICMS, que varia de 17% a 18%

Segundo o governo do Pará, o Estado terá perdas de R$ 2,9 bilhões em um ano, com a sanção do projeto de lei PLP 18/22. De julho a dezembro, as perdas vão ser de R$ 1,5 bilhão, “ou seja 8% do total da receita de ICMS. As perdas dos 144 municípios relativa aos 25% de cota-parte do ICMS chegarão a R$ 383 milhões; os repasses para a saúde R$ 138 milhões e a para a educação R$ 287 milhões”, diz a nota da Sefa.

São Paulo e Goiás

Na manhã desta segunda-feira (27), o governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, anunciou que o Estado aplicaria imediatamente a redução da alíquota de ICMS da gasolina de 25% para 18%.

Ao criticar o veto presidencial à compensação financeira dos Estados, Garcia informou que a redução do tributo nas vendas do combustível representa uma perda de arrecadação, em base anualizada, de R$ 4,4 bilhões, o que vai comprometer investimentos do Estado em áreas estratégicas, incluindo saúde e educação.

O Estado de Goiás também oficializou a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis, energia elétrica e serviços de comunicações a 17%, de acordo com a lei complementar 194.

Em nota, o governo estadual de Goiás informou que, "na prática, o litro da gasolina na bomba terá uma redução aproximada de R$ 0,85. O litro do etanol, de R$ 0,38". A redução a 17% ocorreu na gasolina (cuja alíquota era de 30%), etanol carburante (antes em 25%), energia elétrica (25%) e telecomunicações (29%).

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA