Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Trinta anos depois, Beth Faria assiste à novela 'Tieta' ao lado da neta

A atriz tinha 42 anos quando interpretou a "cabrita" que volta triunfante para Santana do Agreste, 25 anos depois de ser escorraçada de sua cidade natal

Agência Estado

Trinta e um anos depois de interpretar Tieta no horário nobre da TV Globo, Beth Faria está agora maratonando a novela ao lado da neta, Giulia Butler, durante o confinamento social das duas no apartamento da atriz no bairro do Leblon, no Rio de Janeiro. Um dos maiores sucessos de audiência da emissora, o folhetim de 1989 está disponível na plataforma GloboPlay.

Beth tinha 42 anos quando interpretou a "cabrita" que volta triunfante para Santana do Agreste, 25 anos depois de ser escorraçada de sua cidade natal, na trama inspirada no livro de Jorge Amado. O elenco era um dream team: Joana Fomm, José Mayer, Reginaldo Faria, Yoná Magalhães, Armando Bógus, Ary Fontoura, Lidia Brondi e outros.

A abertura da novela também fez história. Assinada por Hans Donner, misturava elementos da natureza com a beleza da mulher, representada por Isadora Ribeiro, tendo como pano de fundo as dunas de Mangue Seco, na Bahia. Tieta já havia sido exibida no Vale a Pena ver de Novo, em 1994, e no canal Viva, em 2017.

"Tieta representa a derrubada de todos os preconceitos. O povo está se identificando com ela agora. Todo dia vejo coisas na internet. Um trabalho que fiz há 30 anos hoje está trazendo coisas boas", disse Beth Faria ao Estadão. A novela tinha uma pegada feminista no momento em que o Brasil respirava a democracia e a liberdade no ano da primeira eleição direta para presidente após a ditadura militar.

"Nunca me considerei uma feminista, mas li muito cedo, na adolescência, aos 16 anos, O Segundo Sexo, da Simone Beauvoir. Aquilo deu uma abertura na minha cabeça", disse a atriz. A força feminina de Tieta ajudou a mobilizar o público, que pressionou a Globo a incluir a novela no cardápio de reprises de sua plataforma de streaming.

Em tempo de #metoo e explosão movimentos contra o assédio, Beth Faria disse que existe um "machismo estrutural" na televisão. "O assédio não foi inventado agora. Não sofri assédio, mas passei por muitos. Se eu disser que sofri me coloco como vítima, e eu não gosto. Passei por assédios e sobrevivi. As atrizes mais jovens hoje enxergam o assédio de outra forma. Passávamos por assédios, mas tínhamos vergonha de falar."

Em sua quarentena, Beth Faria tem dialogado frequentemente com os colegas da classe artística, que estão mobilizados para tentar evitar o colapso do setor audiovisual. Segundo ela, por volta de 350 mil pessoas estão desempregadas, e a crise antecede a pandemia do coronavírus. "Parou tudo há dois anos e meio. O cinema brasileiro precisa destravar. Houve uma desmoralização dos artistas e do cinema. A população começou a ter antipatia pelos artistas."

Televisão
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM TELEVISÃO

MAIS LIDAS EM CULTURA