Repórter Tintin completa 90 anos de existência entre sucessos e polêmicas

O personagem criado por Hergé terá um novo filme dirigido por Peter Jackson e Steven Spilberg

Redação Integrada

Desde a primeira aventura publicada no dia 10 de janeiro de 1929, quando o repórter Tintin apareceu no suplemento semanal Le Petit Vingtième, do jornal belga Le Vingtième Siècle, já passaram exatamente 90 anos. As comemorações pelas nove décadas vieram com os anúncios de um novo filme com a direção de Peter Jackson e Steven Spilberg e, possivelmente, de um quadrinho inédito. Desta vez Jackson, que foi o produtor do primeiro, dirigirá o segundo.

Veja o primeiro episório de As Aventuras de Tintin abaixo:

As Aventuras de Tintim (Les aventures de Tintin) é o título da série criada pelo autor belga Georges Prosper Remi, mais conhecido como Hergé. O jovem Tintin sempre é auxiliado em suas aventuras pelo fiel cão Milu. Além deles, o elenco conta ainda com Capitão Haddock, os gêmeos detetives Dupond e Dupont, o cientista surdo Trifólio Girassol, e a cantora de ópera Bianca Castafiore.

As histórias ganharam uma revista própria de grande tiragem e também foram adaptadas para desenhos animados. No Brasil, a série foi exibida pela TV Cultura nos anos 2000. As séries são uma das histórias em quadrinhos européias mais populares do século XX, sendo traduzidas para mais de 50 línguas e tendo mais de 200 milhões de cópias vendidas.

 Polêmicas - Na primeira aventura Tintin entrou em um comboio para Moscou, antiga capital extinta União Soviética (URSS). O livro "Tintin no País dos Sovietes" foi editado em 1930, e alvo de várias polémicas durante a Guerra Fria, já que o simpático jornalista não era tão amistoso com os comunistas.

O primeiro livro da coleção "Tintin no Congo" também foi marcado por polémica. O Congo era uma ex-colónia belga. Em 2007, o ativista congolês Bienvenu Mondondo entrou com um processo judicial para retirar das livrarias o livro lançado em 1931, com o argumento que retratava os africanos de forma racista. A justiça belga decidiu que não havia provas de que Hergé, que morreu em 1983, tinha tido intenção de incitar ao racismo. De acordo com o Tribunal, a obra foi escrita num tempo em que prevaleciam ideias colonialistas.

Em outra história, como "O Lótus Azul" (1936), Tintin discursou contra o racismo. O livro também marcou o início de estilo próprio, marcado pelo humor, suspense e relevância política ou histórica.

Cultura