Promoter registra Boletim de Ocorrência contra Wanderley Andrade e promete processá-lo

Jefsson Clyton, o Bial, diz que o cantor de brega recebeu R$ 4 mil antecipados pela apresentação e "deu o cano"

Redação Integrada

"Ele deu foi o cano mesmo. Em nenhum momento ele disse 'não vou'" (sic), disse um dos promoters do show de Wanderley Andrade, em Tucuruí, que aconteceria no último sábado (20), Jefsson Clyton, mais conhecido como Bial. O outro promoter foi Gilson Paiva.

Bial não informou o prejuízo com a venda de ingressos - cerca de 680 vendidos e 180 cortesias, totalizando um público de cerca de 800 pessoas - e nem com os instrumentos do palco, mesas e cadeiras do clube, quebrados pelo público enraivecido.

Lei também: Wanderley Andrade falta a show e o público que o aguardava fez quebra-quebra

Bial contou que já organizou vários shows na cidade para Wanderley Andrade e que nunca teve esse tipo de problema. "Eu depositei adiantados R$ 4 mil reais do total do contrato, de R$ 9 mil. Ele nunca disse que não viria. Estamos conversando há dias", disse ao portal OLIBERAL.com. "Estou movendo uma ação por dano moral e material contra ele", acrescentou o promoter.

Na madrugada do domingo (21), ao constatar que Wanderley não apareceria, o empresário registrou Boletim de Ocorrência na Delegacia de Tucuruí.

Boletim de ocorrência registrado por um dos promotores do show de Wanderley Andrade, em Tucuruí (Reprodução)

Após a repercussão da confusão generalizada ocorrida no clube, Wanderley fez contato com Bial pedindo desculpas.

Por que Wanderley Andrade não compareceu ao show?

Na última terça-feira (16), Bial e Wanderley Andrade tiveram o último contato pro Whatsapp, quando o cantor disse que chegaria a Belém na madrugada da sexta-feira (19), vindo de um show em Manaus, e que chegaria atrasado em Tucuruí devido à queda da ponte sobre o rio Moju, que o obrigaria a tomar uma rota terrestre três horas mais longa.

Bial conta que, por volta das 2 horas da madrugada, pediu para uma pessoa da organização avisar no microfone que Wanderley não havia comparecido ao show e orientar o público a pegar o ingresso de volta na saída do clube a fim de ter um comprovante pare receber o dinheiro de volta no dia seguinte.

Porém, antes do funcionário terminar de dar o recado, dois homens invadiram o palco e passaram a quebrar instrumentos da banda que se apresentava, relata o promoter.

De acordo com o Boletim de Ocorrência foram danificados bateria, microfone e aparelho de som, além de 11 cadeiras e quatro mesas plásticas.

"Nessa hora eu não estava, porque soube que teve um atoleiro no 'Mujuzinho' (estrada de acesso) e que uma carreta estava atravessada. Eu fui lá com o Gilson para ver se se ele (Wanderley) estava preso lá", conta.

Cultura