Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Contação de histórias incentiva crianças a deixarem telas de computadores e smartphones

A arte da escuta é uma boa dica para estimular as crianças a criarem o imaginário visual infantil

Bruna Lima

As férias continuam e a galerinha está em busca de atividades e ideias para suprir o tempo livre. Que tal trocar as telas e usufruir melhor da arte de escutar? O imaginário infantil é infinito para a criação, mas muitas crianças acabam limitando-se na frente de computadores com jogos que lhes prendem por horas e horas.

A arte da escuta é uma boa dica para estimular as crianças a criarem o imaginário visual infantil. Ester Sá, que é atriz, contadora de história, dramaturga e produtora, usa da função da arte para estimular a própria filha, Alice Sá, e outras crianças. Juntas, mãe e filha criaram um podcast como um recurso de brincadeira. O intuito é criare e contar histórias.

VEJA MAIS

Artista paraense Ester Sá lança canal de contação de histórias no YouTube
Projeto inicia com série 'A Casa Dentro de Si', que vai abordar narrativas do cotidiano

Associação Viva e Deixe Viver faz contação de histórias online
Durante as manhãs, às 10h30, eles contam "Histórias de Bom Dia". Já no final da tarde, às 18h30, é a vez das "Histórias de Boa Noite".

Festival em Belém marca o Dia Internacional da Contação de Histórias
Programação gratuita no Sesc Ver-o-Peso estimula a formação de novos leitores

"Nós, às vezes, gravamos áudios, como uma brincadeira, lendo, contando histórias, brincando com vozes, às vezes fica só na brincadeira em casa mesmo, e às vezes compartilhamos com amigos", diz a mãe da Alice.

Ester diz que na escuta a imagem aparece na "tela" interna. "Eu vivi muito isso quando criança, com os discos da coleção disquinho, e até aquela coleção do Silvio Santos, que tinha uma eletrola e os discos vinham numa maleta "alaranjada" junto com os livros. Eu o amava muito", recorda.

Ela completa que, nesta época, a hora de ouvir era hora de sonhar e tinha um ritual do qual até hoje lembra com carinho.

"Hoje minha filha ouve tanto os mesmos que eu ouvi, quanto outras produções como o maravilhoso Programa Maritaca, aplicativo com programas infantis e histórias como a coleção Poranduba, de histórias indígenas, que comprei na livraria Maracá, é um primor", completa a contadora de história.

Como admiradora de sons, sempre dividiu momentos com a filha para ouvir os sons do dia, cantos de pássaros, balançar das folhas ao vento, e outros ruídos. "Também ficamos atentas às vozes dos personagens dos desenhos animados, e das pessoas, percebendo os detalhes. É uma coisa da nossa natureza. Acho importante porque a escuta abre a casa interna da gente, precisamos esvaziar os ruídos internos para deixar a escuta passar, para dar atenção a ela. Então é um tempo dedicado a perceber o som que está dentro da gente também", acrescenta.

Como contadora de história, Ester Sá explica que o recurso pode chegar de diversas formas. As ferramentas tecnológicas trouxeram outros formatos, outras vias de acesso, e os podcasts são uma delas.

"Tudo aumentou, principalmente na pandemia, nesse sentido, pois mais pessoas se aventuraram a se comunicar por vias tecnológicas. E hoje que temos o celular como ferramenta de acesso, fica muito fácil produzir conteúdo, basta querer, tentar, se propor a exercitar. Lembrei aqui do maravilhoso e saudoso Epaminôndas, que antes mesmo de conhecermos o seu rosto, era a sua voz que chegava nos nossos celulares, nos fazendo rir com sua espontaneidade e genialidade. Ele é um excelente exemplo de voz que ganhou nossos corações", exemplifica.

Apesar da brincadeira, Ester e Alice já receberam alguns convites. Elas já gravaram no programa Abradacadabra, da Rádio Cultura do Pará, conduzido pela Linda Ribeiro, e também para a Rádio Butiá, que é uma organização internacional e tem pessoas no Brasil que organizam os programas. A Alice apresentou o programa, junto com os apresentadores do Butiá. Ela tinha 8 anos na época.

Alice também já fez teste para integrar o elenco de vozes de um seriado de animação da Netflix. "Ela não foi a escolhida final, mas o processo de seleção foi muito legal, muito aprendizado", comemora Ester.

"Abracadabra" um programa de resistência ao apelo da imagem

A apresentadora Linda Ribeiro, que é jornalista, graduada em Letras e está à frente do programa, diz que a narrativa oral é fundamental para a formação e o estímulo da imaginação, o desenvolvimento da fala e da escrita, o repasse de saberes tradicionais e para o fortalecimento das relações, das memórias e dos afetos.

Linda explica que, no rádio, o conteúdo para o público infantil, hoje, é quase inexistente. "O podcast vem mudando esse cenário na web. Há bons conteúdos para criança, no meio digital. Às vezes, há um equívoco entre o conteúdo sobre criança e o conteúdo para criança. O Abracadabra é um programa para crianças, para a fruição, para o deleite", destaca.

O Abracadabra foi criado, na Rádio Cultura, para estimular a formação do leitor e retomar os hábitos de ouvir e contar histórias. Com uma hora de duração, Linda explica que é um programa para crianças de 0 a 90 anos. A produção inclui contação de histórias, leitura de poemas para crianças, música e brincadeiras tradicionais, como adivinhações e trava-línguas, em um formato que alcança a todas as faixas etárias.

No livro “Um Jeito de Ser”, o psicólogo norte-americano Carl Roger fala sobre a arte de ouvir. Ele diz que uma criança que sabe ouvir está mais preparada para aprender, prestar atenção e participar das atividades em sala, a se relacionar com outras pessoas e tende a ser uma criança mais calma, colaborativa e focada.

Ele destaca que o simples ouvir tem efeitos transformadores e surpreendentes. Ouvir as crianças com a devida atenção, certamente é uma forma de torna-las aptas a desenvolver também esse comportamento.

Palavras-chave

Cultura
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM CULTURA

MAIS LIDAS EM CULTURA