Longa com Lília Cabral é a estreia nacional da Semana

Programação tem também longa sobre a guerra civil na Argélia

Redação Integrada

A estreia nacional nos cinemas da cidade nesta quinta-feira, 31, é estrelada por Lilia Cabral, que é "Maria do Caritó", uma solteirona em busca do amor verdadeiro. O longa é dirigido por João Paulo Jabur ('Salve Jorge') e produzido pela EH! Filmes, de Elisa Tolomelli, em coprodução com Globo Filmes, entre outros.

O filme é baseado em uma peça homônima, "escrita especialmente para o retorno da atriz Lilia Cabral ao teatro", como conta o escritor Newton Moreno. A comédia dramática ficou cinco anos em cartaz antes de ganhar as telas dos cinemas e foi um verdadeiro sucesso de público. Indicada a seis categorias no Prêmio Shell 2010, a peça 'Maria do Caritó' contou ainda com a vitória de Lilia Cabral na categoria de Melhor Atriz no Prêmio Contigo 2011.

Muito popular no nordeste do país, a expressão “ficar no caritó” é utilizada para se referir a alguém que nunca casou e está encalhado. Esta é a história de Maria (Lília Cabral), uma mulher solteirona, que sonha em encontrar o verdadeiro amor. Prometida a um santo que ninguém nunca ouviu falar, ela foi guardada pelo pai para ser entregue virgem a São Djalminha.

Parecia que nem um milagre poderia ajudá-la, mas o amor vem de onde menos se espera e, quando uma trupe de circo chega à cidade, Maria descobre que o mundo pode ser muito mais colorido e divertido do que ela imaginava.

O elenco conta ainda com Kelzy Ecard ('Segundo Sol'), Leopoldo Pacheco ('O Sétimo Guardião'), Gustavo Vaz ('O Doutrinador'), Sylvio Zilber ('Ponte Aérea') e Juliana Carneiro Da Cunha ('Assédio').

Maria do Caritó (estreia)
Dir: João Paulo
Comédia, 12 anos
Cinesystem Metrópole 4 (2D): 13h50 e 19h50;
Cinesystem Metrópole 9 (2D): 15h25;
Cinépolis Parque 6 (2D): 22h15;
UCI Bosque 3 (2D): 16h, 22h20 e 22h25;
Moviecom Pátio 3 (2D): 15h20, 17h20, 19h20 e 21h20 (sab e dom); 16h20, 18h20 e 20h20 (seg a sex);
Moviecom Castanheira 1 (2D): 15h15, 17h15, 19h15 e 21h15 (sab e dom); 16h15, 18h15 e 20h15; 

PAPICHA

Entre as estreias da semana está também o longa franco-argelino "Papicha". Representante da Argélia na corrida ao Oscar 2020 de melhor filme estrangeiro, o drama é inspirado em um caso real, ocorrido na década de 90.

Nedjma (Lyna Khoudri) tem 18 anos, é estudante e quer ser estilista. Com suas amigas, burla o sistema opressor de seu país para levar uma vida, digamos, normal. Ela usa roupas modernas e bijuterias, paquera e permite ser paquerada e, durante a noite, dá suas escapadas para frequentar baladas.

Só que o clima em Argel anda tenso e pesado porque os radicais islâmicos exigem que as mulheres respeitem as tradições e usem o hijab, vestimenta que só deixa o rosto à mostra. Determinada em unir as mulheres de seu campus, ela organiza um desfile em protesto, que desafia as regras impostas pela sociedade argelina.

Segundo crítica de Miguel Barbieri Jr, em seu primeiro longa-metragem, a diretora Mounia Meddour se atropela ao querer recriar um fato. "Seu roteiro é um típico “morde e assopra”. As passagens dramáticas são intercaladas o tempo inteiro com respiros de resistência, e algumas ações ficam sem explicação para o espectador".

Papicha (estreia)
Dir: Mounia Meddour
Drama, 16 anos
Cinépolis Parque 1 (2D dub): 19h30;

Cinema
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM CULTURA