MP vai recorrer da decisão que concede liberdade a Suzane Von Richthofen

Ela teve progressão para o regime aberto após cumprir 20 anos de prisão pelo assassinato dos pais

Emilly Melo
fonte

O Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) informou, nesta quinta-feira (12), que vai recorrer da decisão que concedeu progressão de pena a Suzane Von Richthofen para o regime aberto. Ela foi condenada pela morte dos pais em 2002. Com informações da Agência Estado.

VEJA MAIS

image Suzane von Richthofen sai da prisão após Justiça conceder progressão para o regime aberto
Ela é condenada por matar os pais e cumpria pena em Tremembé, no interior de São Paulo.

image Onde estão Suzane e os irmãos Cravinhos vinte anos depois do crime que chocou o Brasil?
Suzane, o então namorado e o irmão dele mataram o casal Marísia e Manfred von Richthofen

image Suzane von Richthofen, que participou da morte dos pais, apresenta trabalho sobre maternidade
Condenada por assassinato, a presidiária e estudante participou de evento acadêmico em universidade de Taubaté

Após a decisão da 2ª Vara de Execuções Criminais de Taubaté, Suzane foi solta, na quarta-feira (11). O alvará de soltura foi cumprido na tarde de quarta, pela Penitenciária Feminina I Santa Maria Eufrásia Pelletier, de Tremembé (SP), onde ela estava presa.

Segundo o TJSP, a decisão de conceder a progressão ao regime aberto para Suzane foi determinada "após ser verificado o cumprimento dos requisitos estabelecidos pela Lei de Execução Penal". O órgão não detalhou os motivos da soltura. O caso tramita em segredo de Justiça.

Condenada por matar os pais

Suzane foi condenada a 39 anos e 6 meses de prisão, junto com Daniel e Cristian Cravinhos. Os três foram considerados culpados pelo assassinato do casal Marísia e Manfred Von Richthofen, em outubro de 2002, há pouco mais de 20 anos.

Daniel, namorado de Suzane na época do crime, recebeu a mesma pena que a jovem, enquanto Cristian foi condenado a 38 anos e 6 meses. Os três confessaram o crime poucos dias depois de cometerem o homicídio.

(*Emilly Melo, estagiária, sob supervisão de Hamilton Braga, coordenador do Núcleo de Política)

Brasil
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL