Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

‘Fofoqueiros’ são presos acusados de difamar e extorquir moradores de cidade

As vítimas afirmam que os acusados administravam páginas de fofocas e cobravam dinheiro para apagar publicações com difamações

Maiza Santos

Três pessoas foram presas, na última segunda-feira (15), acusadas de administrar páginas de fofocas em uma rede social e cobrar dinheiro para apagar difamações postadas nesses perfis. Os suspeitos podem responder por extorsão, associação criminosa, estelionato eletrônico e difamação, cometidos contra pessoas da cidade de Ceres, em Goiás. Entenda:

VEJA MAIS

Lista de 'mais cornos' e 'mais chatos': suspeito de ter feito ranking pede desculpa
Diversos nomes estavam presentes em pelo menos cinco listas

Tatá Werneck é hackeada e sofre tentativa de extorsão: ‘está me ameaçando’
Não há informações sobre o teor do conteúdo foi acessado pelo hacker e nem qual a conta ou dispositivo ele teve acesso. A humorista já registou o Boletim de Ocorrência

Com ajuda de prostituta, polícia prende acusados de extorsão mediante sequestro em Belém
Os dois homens foram presos em um hotel no bairro do Marex, a partir da denúncia de uma garota de programa com a qual um deles teria se relacionado

Mãe, filha e um amigo delas foram apontados como sendo responsáveis por divulgar informações negativas de moradores da cidade e depois cobrarem dinheiro para apagar as publicações. De acordo com a Polícia Civil, as denúncias começaram a chegar há quatro meses. Cerca de 10 vítimas já procuraram as autoridades para relatar que os acusados cobraram entre R$ 200 e R$ 1 mil para remover as postagens dos perfis.

Uma adolescente, que é companheira de uma das suspeitas, também é investigada. Porém, não chegou a ser apreendida.

Perfis de fofoca

Nas redes sociais, as três páginas de fofoca somam, juntas, mais de 56 mil seguidores. Matheus Costa, o delegado responsável pelo caso, solicitou a derrubada dos perfis à Justiça em até 24 horas.

Além das acusações existentes, os três também são suspeitos de hackear páginas de bares e restaurantes da cidade e pedir dinheiro para devolver os perfis.

Conforme divulgado pela polícia, as três pessoas estão presas na Casa de Prisão Provisória de Aparecida, mas devem ser encaminhadas a um presídio. Se condenados, podem pegar mais de 15 anos de prisão.

(*Estagiária Maiza Santos, sob supervisão da editora de OLiberal.com, Ádna Figueira)

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL