Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Após joelho no pescoço, PM acusa mulher de usar criança como escudo humano

As imagens viralizaram nas redes sociais e causaram grande revolta

O Liberal

Na última sexta-feira (5), imagens gravadas por testemunhas mostraram a abordagem de um policil militar, que abordou uma mulher, jogou ela no chão com uma criança de colo e a imobilizou com os joelhos em seu pescoço. As imagens viralizaram nas redes sociais e causaram grande revolta.

Logo após a repercussão, a Polícia Militar de Minas Gerais defendeu a abordagem do servidor. 

“No início da noite desta sexta-feira, 05/11/21, na cidade de Itabira, a Polícia Militar realizou a prisão em flagrante de um casal por porte ilegal de arma de fogo e munições”, diz a nota emitida pela PMMG. “Durante a abordagem foram apreendidas quatro munições calibre 32 com o homem. Para impedir a apreensão da arma de fogo que estava consigo, a mulher se agarrou a uma criança, usando-a como escudo humano e se recusando a largá-la. Assim, a mulher foi projetada ao solo e imobilizada, numa queda controlada, nenhuma lesão sofrendo a criança”, diz ainda o texto.

VEJA:

O prefeito de Itabira, Marco Antônio Lage, também emitiu uma nota nas redes sociais:

“Com a responsabilidade de prefeito municipal, manifesto minha repulsa diante das imagens de uma abordagem policial, ocorrida no início da noite, em Itabira. As lamentáveis cenas que já circulam nas redes sociais e sites de notícia de todo o país precisam ser apuradas com rapidez e rigor. Este não é o procedimento padrão das nossas escolas militares e do comando geral da corporação.”, diz o texto.

Palavras-chave

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL