Advogado erra e expõe contrato sadomasoquista com cliente

Mulher era a 'submissa', ele o 'dominador'

Com informações do Metrópoles

Ao tentar processar uma seguradora por danos morais, uma mulher e seu advogado acabaram expondo a relação sadomasoquista existente entre os dois. Por um descuido, o profissional anexou ao pleito não o contrato que ela firmou com a empresa para proteger um celular, mas um de natureza sexual. O caso foi registrado na Justiça do Mato Grosso (MT).

Após a confusão, justamente porque houve vazamento das informações pelas redes sociais, a atendente pediu, no processo, a correção do erro técnico.

No contrato, a mulher era a “submissa”, ele o “dominador”, e caberia a ele definir os termos das práticas sexuais por pelo menos três meses, prazo de vigência do contrato.

De acordo com o processo, ele estava autorizado a “açoitar, espancar, chicotear ou castigar fisicamente a Submissa como julgar apropriado, para fins de disciplina, para seu prazer pessoal, ou por qualquer outra razão, a qual não é obrigado a explicar”. Ele, contudo, não poderia deixar marcas permanentes no corpo dela, nem tampouco causar “ferimentos que possam exigir cuidados médicos”.

Entre os termos do contrato estava, por exemplo, a determinação de que ele não só seria responsável pelo bem-estar da mulher, mas também pelo seu “treinamento, orientação e disciplina”.

“De acordo com os termos, limitações e procedimentos de segurança acordados estabelecidos no presente contrato (…) ela oferecerá sem questionar ou hesitar o prazer que ele solicitar e aceitará sem questionar o treinamento, a orientação e a disciplina do Dominador na forma que for”, estabeleceu.

O período em que ela ficaria disponível a ele também estava determinado no contrato, mas não poderia ser sujeita a qualquer atividade que pudesse “causar dano sério ou risco à vida”. “O Dominador pode usar o corpo da Submissa a qualquer momento durante as Horas Designadas, ou em quaisquer horas extras acordadas, da maneira que julgar apropriada, sexualmente ou de outra maneira qualquer.”

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM BRASIL