Tem animais idosos em casa? Então essas dicas são para você!

Veterinária orienta tutores a como cuidar de cães e gatos na fase da senilidade

Tainá Cavalcante

Animais domésticos, como cães e gatos, precisam de atenção redobrada quando alcançam a velhice. Para os cães, essa classificação chega a partir dos seis anos para as grandes raças (acima de 25 quilos) e aos oito para raças pequenas. Já os gatos, a partir de nove anos podem ser considerados idosos. Assim como nos humanos, a idade avançada requer cuidados especiais, como alimentação, idas frequentes ao veterinário e até mesmo atenção odontológica. Pensando nisso, elencamos os principais cuidados, com base nas dicas da veterinária Brenda Silveira, que tutores devem ter com cães e gatos na fase da senilidade.

1. Alimentação balanceada - animais idosos têm necessidade de repor alguns nutrientes, principalmente cálcio e fósforo, pelo desgaste ósseo natural. Por isso, quando falamos de ração, a alimentação deve ser de qualidade no mínimo premium, ou até super premium, especial para a faixa etária. Segundo a veterinária, esse tipo de ração vem suplementada, o que ajuda na reparação da articulação.

Outra dica é, desde filhote, introduzir uma alimentação pastosa ou sachês junto com a alimentação seca, porque, na senilidade, vem a fraqueza dos dentes e diminuição de capacidade de mordedura, o que faz com o que animal, mesmo com fome, acabe não conseguindo comer, por conta da fragilidade dos dentes. Assim, se introduzir a alimentação pastosa desde filhote, na fase idosa, conseguirão comer esse tipo de alimento com mais facilidade.

Para os gatos, uma atenção específica à ingestão de água também precisa ser tomada: com o tempo, é comum que ele diminua o interesse pelo consumo, então utilizar formas de estimulá-los, como fontes ou bebedouros que dão mais mobilidade para a água, são um boa saída, já que os gatos costumam se interessar mais por águas que se mexem.

Lindinha tem nove anos e já está na senilidade (Arquivo pessoal / Vanessa Pinheiro)

2. Condicionamento físico - o animal idoso, segundo alerta a veterinária, não tem a mesma condição física de passear e correr. Por isso, tutores devem optar por passeios mais curtos, em horários que não estão calor. Deve-se tomar cuidado também com asfalto quente e sempre levar água para o animal, já que o mesmo não tem mais condição de ter desgaste físico elevado.

3. Vacinações e vermifugações - essas duas devem estar sempre atualizadas, já que o animal idoso, tanto cão, como gato, tem diminuição da imunidade e fica mais suscetível às doenças.

4. Visitas frequentes ao veterinário - um check up geral a cada seis meses é o indicado para animais idosos. Pelo menos uma vez ao ano, também devem fazer um eletrocardiograma, já que problemas cardíacos são mais comuns na senilidade - principalmente para os cães que, com o tempo, por conta do desgaste fisiológico natural, tendem a ter problema cardíaco na velhice. Estar atento a sintomas como tosse, cansaço exacerbado, mucosa roxa, desfalecimento repentino (síncopes), que podem ser sinais de alterações cardiológicas. Nesses casos, procurar de imediato um veterinário.

Outra doença que costuma aparecer com mais frequência em animais idosos são os tumores, que podem ser benignos ou malignos. Por isso, é sempre importante ficar de olho em qualquer pinta diferente ou ferida que nunca cicatrize. Nas cadelas que não foram castradas precocemente, pode acontecer a neoplasia mamária; nos cães machos que não foram castrados, pode ocorrer a hiperplasia de próstata (ficar atento se o cão tem dificuldade em defecar e fezes mais secas). Em qualquer caso, a orientação é sempre procurar um veterinário.

A Meg, de 13 anos, tem cuidados especiais em casa (Arquivo pessoal / Ana Paula Schaan)

5. Evitar estresse - deve-se evitar estresses desnecessários, principalmente para os gatos. Esses estresses podem ocorrer, por exemplo, com a introdução de novos animais no ambiente. Nesse caso, ela deve ser feita aos poucos. Qualquer mudança de rotina que altere o dia a dia do gato, pode causar estresse e ocasionar até mesmo um mal súbito.

6. Avaliação odontológica - é importante para ambos animais, principalmente em casos nos quais o tutor não tem o hábito de realizar a higienização dos dentes do animal diariamente, já que pode-se formar, com o tempo, cálculo dentário (acumulo de bactérias), que são os tártaros, que podem levar a problemas como a perda do dente e infecções secundárias, como a pericardite, que é a infecção do músculo do coração por conta de cálculo dentário. Por isso, avaliação odontológica na fase da senilidade é essencial.

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!