Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Pessoas com comorbidades se emocionam ao receber vacina contra covid, em Belém

Meta da Sesma é imunizar, nesta quinta-feira, 7,5 mil pessoas em 19 postos de imunização da capital

Dilson Pimentel e Sidney Oliveira

Maria Goreth Ataliba Lima, 56 anos, se emocionou ao ser imunizada contra a covid-19, na manhã desta quinta-feira (6), em Belém. “Estou tomando a vacina porque tenho problema de pressão alta e diabetes”, disse. “O sentimento de me livrar dessa doença”, acrescentou ela, chorando. “Eu já tive no ano passado. É muito ruim. E parece que Deus deu logo um sopro de cura para acabar essa pandemia. É um alívio. Vou continuar tendo todos os cuidados, com certeza”, afirmou.

LEIA MAIS:
Belém vacina grupos de pessoas com comorbidades entre 56 e 58 anos

Grávidas com comorbidades começaram a ser vacinadas em Ananindeua
Veja como foi a primeira etapa de vacinação de comorbidades em Belém
Pará recebeu mais de 220 mil vacinas contra a covid-19 esta segunda
Belém só recebeu 14 mil das 30 mim vacinas da Pfizer esperadas

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) deu continuidade, nesta quinta-feira (6), à etapa de vacinação do grupo de comorbidades. Inicialmente, nessa data, seriam vacinadas as pessoas que têm 58 anos (nascidas em 1963). Mas, como há doses suficientes, a Prefeitura de Belém decidiu ampliar a faixa etária, então, também serão imunizadas as pessoas com 57 e 56 anos (nascidas em 1964 e 1965), com comorbidades. Para esse cronograma, a Sesma conta com 19 pontos de vacinação, na capital e nas agências distritais, funcionando no horário das 9h às 17h.

Rose Cortes, 57 anos, também foi imunizada nesta quinta-feira. “Sou hipertensa e diabética”, disse. “E é uma felicidade poder estar vacinada, proteger a mim, e, principalmente, proteger a minha família. Espero que chegue para todos, para os jovens inclusive. Me sinto mais segurança em relação a mim e para proteger a minha família também, que é o mais importante”, completou. Maria Goreth e Rose Cortes foram vacinadas no posto montado na Universidade do Estado do Pará (Uepa), no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), na travessa Perebebuí, 2623, no Marco.

Nesse local a enfermeira Lays Nunes está trabalhando de forma voluntária. “Estamos muito satisfeitos de estar trabalhando nessa campanha. Finalmente chegou a vacinação. Estamos imunizando a população que já vem sofrendo há bastante tempo com essa questão (pandemia)”, disse. “Estamos seguindo com a esperança de que vai ficar tudo melhor. A gente se emociona junto com as pessoas que vem vacinar, aguardando a tão esperada a vacina”, afirmou.

"É uma felicidade poder estar vacinada, proteger a mim, e, principalmente, proteger a minha família. Espero que chegue para todos, para os jovens inclusive. Me sinto mais segurança em relação a mim e para proteger a minha família também, que é o mais importante”, disse Rose Cortes, de 57 anos

Rose Cortes: felicidade com a primeira das doses proteção (Sidney Oliveira / O Liberal)

Segunda dose deve ser feita até 28 de julho


A meta da Sesma é vacinar 7.500 pessoas nesta quinta-feira (6). De acordo com recomendação do Ministério da Saúde, a segunda dose deve ser feita até 28 de julho. Em razão de especificidades técnicas, que exigem armazenamento em ambiente refrigerado da vacina da Pfizer, os pontos de imunização não vão funcionar em sistema drive-trhu e todos têm ar-condicionado. 

No total, 22 doenças foram priorizadas nesta etapa da vacinação. E o diretor de Vigilância à Saúde da Sesma, Cláudio Salgado, chama atenção da população para alguns pontos importantes. “Nesta fase é fundamental que as pessoas só venham até os pontos de imunização, caso atendam às regras de idade e que possuam pelo menos uma comorbidade", explicou. É necessário, também, apresentar os seguintes documentos: RG, CPF, cartão SUS e comprovante de residência de Belém. "Além disso, é fundamental levar uma cópia do laudo, atestado ou receita médica que comprove a comorbidade, documentação essa que será retida no ponto de vacinação”, reforçou.

“Nesta fase é fundamental que as pessoas só venham até os pontos de imunização, caso atendam às regras de idade e que possuam pelo menos uma comorbidade", diz o diretor de Vigilância à Saúde da Sesma, Cláudio Salgado. "É fundamental levar uma cópia do laudo, atestado ou receita médica que comprove a comorbidade. Essa documentação será retida no ponto de vacinação”

Posto de vacinação do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Uepa (Sidney Oliveira / O Liberal)

Doses de Coronavac e Astrazeneca aguardam na agenda


A Sesma lembra que a retomada das imunizações com a Coronavac, com a chamada para os que precisam tomar a segunda dose, acontecerá apenas a partir de 10 de maio. Os que não tomaram a 1ª dose da Coronavac também serão atendidos.

E apenas no dia 16 de junho será a vez da segunda dose para os idosos que tomaram a vacina  Astrazeneca/Fiocruz. 

A vacinação ocorre em 19 pontos. É necessário levar os documentos de RG, comprovante de residência e cartão do Sistema Único de Saúde (SUS).

Os idosos de qualquer idade, que por algum motivo não tomaram a 1ª ou 2ª dose da vacina CoronaVac, vão ter mais uma oportunidade para se vacinar. Será no dia 10 de maio. A Sesma ainda vai divulgar os locais de vacinação.

Doses da Pfizer exigem refrigeração diferenciada no armazenamento (Thiago Gomes)

Quais são as 22 comorbidades prioritárias?


1. Arritmias cardíacas (com importância clínica e/ou cardiopatia associada: fibrilação e flutter atriais; e outras).

2. Câncer.

3. Cardiopatia hipertensiva (hipertrofia ventricular esquerda ou dilatação, sobrecarga atrial e ventricular, disfunção diastólica e/ou sistólica, lesões em outros órgãos-alvo).

4. Cardiopatias congênita no adulto (Cardiopatias congênitas com repercussão hemodinâmica; crises hipoxêmicas; insuficiência cardíaca; arritmias; comprometimento miocárdico).

5. Cirrose hepática.

6. Cor-pulmonale e Hipertensão pulmonar (Cor-pulmonale crônico, hipertensão pulmonar primária ou secundária)

7. Diabetes mellitus.

8. Doença cerebrovascular (Acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico; ataque isquêmico transitório; demência vascular).

9. Doença renal crônica (Doença renal crônica estágio 3 ou mais (taxa de filtração glomerular < 60 ml/min/1,73 m2) e/ou síndrome nefrótica).

10. Doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas (Aneurismas, dissecções, hematomas da aorta e demais grandes vasos).

11. Hemoglobinopatias graves (Doença falciforme e talassemia maior).

12. Hipertensão arterial estágio 3 (PA sistólica ≥180mmHg e/ou diastólica ≥110mmHg independente da presença de lesão em órgão-alvo (LOA) ou comorbidade).

13. Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade (PA sistólica entre 140 e 179mmHg e/ou diastólica entre 90 e 109mmHg na presença de lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade).

14. Hipertensão Arterial Resistente (HAR). Quando a pressão arterial (PA) permanece acima das metas recomendadas com o uso de três ou mais anti-hipertensivos de diferentes classes, em doses máximas preconizadas e toleradas, administradas com frequência, dosagem apropriada e comprovada adesão ou PA controlada em uso de quatro ou mais fármacos antihipertensivos.

15. Imunossuprimidos (indivíduos transplantados de órgão sólido ou de medula óssea; pessoas vivendo com HIV; doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade e em uso de dose de prednisona ou equivalente > 10 mg/dia ou recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida; demais indivíduos em uso de imunossupressores ou com imunodeficiências primárias).

16. Insuficiência cardíaca.

17. Miocardiopatias e pericardiopatias (miocardiopatias de quaisquer etiologias ou fenótipos; pericardite crônica; cardiopatia reumática).

18. Obesidade mórbida (Índice de massa corpórea (IMC) ≥ 40).

19. Pneumopatias crônicas graves (doença pulmonar obstrutiva crônica, fibroses pulmonares, pneumoconioses, displasia broncopulmonar e asma grave (uso recorrente de corticoides sistêmicos, internação prévia por crise asmática).

20. Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados (portadores de próteses valvares biológicas ou mecânicas; e dispositivos cardíacos implantados (marca-passos, cardio desfibriladores, ressincronizadores, assistência circulatória de média e longa permanência). 21. Síndromes coronarianas (síndromes coronarianas crônicas: angina pectoris estável, cardiopatia isquêmica, pós infarto agudo do miocárdio).

22. Valvopatias (lesões valvares com repercussão hemodinâmica ou sintomática ou com comprometimento miocárdico, estenose ou insuficiência aórtica; estenose ou insuficiência mitral; estenose ou insuficiência pulmonar; estenose ou insuficiência tricúspide, e outras).

Documentos são necessários 


Para receber a primeira dose da vacina, é necessário levar os documentos de RG, CPF, Comprovante de Residência, Cartão do Sus, Laudo Médico e cópia deste, pois ficará retido na hora da vacinação. 

Doses da Pfizer: logística diferenciada para manter 14 mil doses resfriadas na capital (Thiago Gomes)

Sem drive-thru: veja os locais definidos


A Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) já avisou que não haverá atendimento por drive-thru, por conta das condições de temperatura exigidas para a conservação das vacinas da Pfizer. 

Locais de vacinação:

1. Cassazum, com entrada pelo estacionamento lateral na Trav. Perebebuí;
2. Colégio do Carmo, na Travessa Dom Bosco, nº 72, bairro da Cidade Velha;
3. FIBRA, avenida Gentil Bittencourt, nº 1144, Nazaré;
 4. Ginásio Mangueirinho, Avenida Augusto Montenegro, nº 524, bairro do Mangueirão;
5. Icoaraci, na Igreja do Evangelho Quadrangular, que fica Travessa São Roque, 789;
6. Icoaraci, paróquias de São João e Nossa Senhora das Graças, na Praça Pio XII, nº 148;
7. Igreja do Evangelho Quadrangular, na Barão de Igarapé Miri, esquina com 25 de junho, no Guamá;
8. Mosqueiro, na Escola Estadual Carananduba, Rod. Eng. Augusto Meira Filho, 51;
9. Mosqueiro, Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Honorato Filgueiras, na Trav. Siqueira Mendes;
10. Mosqueiro, no Hospital Municipal de Mosqueiro, Rua 15 de Novembro, 545, na Vila;
11. Mosqueiro, na Unidade Básica de Saúde Baía do Sol, localizada na Av. Beira Mar;
12. Outeiro, na FUNBOSQUE, na Avenida Nossa Senhora da Conceição;
13. Primeira Igreja Batista, Av. Assis de Vasconcelos, 817, bairro da Campinak;
14. Universidade do Estado do Pará (UEPA), no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), Tv. Perebebuí, 2623, Marco;
15. Escola de Enfermagem da UEPA, fica na Avenida José Bonifácio, nº 1289, Guamá;
16. UNAMA, na Avenida Alcindo Cacela, nº 287;
17. Unidade Médico Integrada da Marinha do Brasil, na rua Comandante Didier, 2184, em Val de Cães.
18. UNIFAMAZ, ns Avenida Visconde de Souza Franco, nº 72, bairro do Reduto;
19. Mirante do Rio, da Universidade Federal do Pará (UFPA), Campus Guamá, Rua Augusto Corrêa, 01, Guamá.

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM