Jovem que deu à luz na calçada recebe alta médica

Bebê também recebeu alta, após tratamento de Icterícia

João Thiago Dias

Receberam alta médica, ao meio-dia desta sexta-feira (22), Tainara dos Santos, de 21 anos, e o filho dela, que nasceu na calçada do Hospital da Ordem Terceira, em Belém, no último domingo (17). 

A informação foi divulgada pelo Hospital da Ordem Terceira, por meio de nota divulgada por volta das 15h30. Segundo o texto, Tainara pediu para que a imprensa não fosse avisada com antecedência sobre o momento da saída.

O hospital reforçou que a alta demorou porque o bebê estava em tratamento de Icterícia (coloração amarela na pele ou nos olhos causada pelo excesso de bilirrubina, uma substância criada quando os glóbulos vermelhos se rompem).

Confira a nota na íntegra:

"Tainara dos Santos, de 21 anos, e o filho, receberam alta médica do Hospital da Ordem Terceira às 12:00 desta sexta-feira (22). O bebê estava em tratamento de Icterícia, por isso a demora na alta. Tainara solicitou ao hospital que a imprensa não fosse avisada, pois gostaria de sair como qualquer outra mãe".

Repercussão

O caso ganhou grande repercussão quando um vídeo circulou nas redes sociais, ainda no domingo, mostrando Tainara desmaiada na calçada, após dar à luz, com o recém-nascido chorando no chão. Após entrar em trabalho de parto, ela foi levada pela mãe dela até o Hospital Ordem Terceira, onde não conseguiu atendimento.

De acordo com o depoimento que Tainara prestou ao Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), houve omissão de socorro por parte do hospital, conforme informou, na terça-feira (19), a 3ª promotora de Justiça de Direitos Constitucionais Fundamentais e dos Direitos Humanos de Belém, Fabia Melo Fournier.

"Ela disse que não conseguiu nem entrar no hospital. Que a porta estava trancada com corrente e cadeado e que ela conseguiu apenas falar com uma pessoa que estava no portão, que ela acredita que seja o porteiro. E que essa pessoa teria dito que não tinha leito nem médico. E que ela deveria procurar outro local para atendimento", informou a promotora.

A possibilidade de negligência é investigada pelo MPPA, que também ouviu o porteiro que estava de plantão no momento do ocorrido, além de responsáveis pelo hospital. O Conselho Regional de Medicina (CRM) do Pará, a Polícia Civil e a Prefeitura de Belém também apuram o caso. 

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM BELÉM